Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Soldados, prisioneiros e pessoas deslocadas votam antes das eleições no Iraque

Forças de segurança chegam a uma seção eleitoral para votar em Bagdá, Iraque, em 08 de outubro de 2021 [Ayman Yaqoob/Agência Anadolu]

Soldados, prisioneiros e pessoas deslocadas votaram nas primeiras pesquisas especiais no Iraque na sexta-feira, enquanto o país se preparava para as eleições gerais de domingo, onde o comparecimento mostrará quanta fé os eleitores deixaram em um sistema democrático ainda jovem, relata a Reuters.

Muitos iraquianos dizem que não vão votar, depois de assistirem a partidos estabelecidos em que não confiam fazerem eleições sucessivas e trazerem poucas melhorias para suas vidas.

Espera-se que grupos oriundos da maioria muçulmana xiita continuem no comando, como tem acontecido desde que o governo sunita de Saddam Hussein foi derrubado em 2003.

O Iraque está mais seguro do que há anos e o sectarismo violento é menos característico do que nunca desde que o Iraque venceu o Estado Islâmico em 2017 com a ajuda de uma coalizão militar internacional e do Irã.

LEIA: Forças dos EUA começam a se retirar do Iraque

Mas a corrupção endêmica e a má gestão significaram que muitas pessoas no país de cerca de 40 milhões estão sem trabalho e sem saúde, educação e eletricidade.

A votação de sexta-feira incluiu a votação entre a população de mais de um milhão de pessoas que ainda estão deslocadas da batalha contra o Estado Islâmico.

Alguns disseram que não podiam ou não queriam votar.

“Eu me casei no campo de deslocados onde moro e nem eu nem meu marido vamos votar”, disse uma mulher de 45 anos que deu seu nome como Umm Amir. Ela falou por telefone e não quis revelar sua localização exata.

“Os políticos nos visitaram antes da última eleição (em 2018) e prometeram nos ajudar a retornar às nossas cidades. Isso nunca se materializou. Fomos esquecidos.”

A maioria dos deslocados iraquianos vive em sua maioria sunita ao norte do país.

O sul, o coração dos partidos xiitas, foi poupado da destruição causada pelo Estado Islâmico, mas a infraestrutura e os serviços estão em mau estado.

Protesto de 2019

Em 2019, protestos antigovernamentais em massa varreram Bagdá e o sul, derrubaram um governo e forçaram o atual governo do primeiro-ministro, Mustafa Al-Kadhimi, a realizar essa eleição seis meses antes.

O governo também introduziu uma nova lei de votação que, segundo ele, trará mais vozes independentes ao parlamento e pode ajudar na reforma; tem tentado encorajar um maior comparecimento.

A realidade, de acordo com muitos iraquianos, diplomatas e analistas ocidentais, é que os partidos maiores e mais estabelecidos vencerão a votação mais uma vez.

Dezenas de ativistas que se opõem a esses partidos foram ameaçados e mortos desde os protestos de 2019, assustando muitos reformistas para que não participassem da votação. As autoridades iraquianas culpam grupos armados com ligações com o Irã pelas mortes, uma acusação que esses grupos negam.

Categorias
IraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments