Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

IRC pede a libertação de 5.000 migrantes e refugiados detidos na Líbia

Imigrantes ilegais ficam dentro do abrigo de Ganzour após serem transferidos da estrada do aeroporto devido aos combates na capital líbia, Trípoli, em 5 de setembro de 2018 [MAHMUD TURKIA/AFP/Getty Images]
Imigrantes ilegais ficam dentro do abrigo de Ganzour após serem transferidos da estrada do aeroporto devido aos combates na capital líbia, Trípoli, em 5 de setembro de 2018 [MAHMUD TURKIA/AFP/Getty Images]

Após incursões sem precedentes na Líbia ocidental, o Comitê Internacional de Resgate (IRC, na sigla em inglês) adverte que os migrantes detidos estão denunciando graves abusos, violência e falta de acesso a serviços básicos.

Mais de 5.000 migrantes foram enviados para centros de detenção nos últimos dias, no que as autoridades líbias descreveram como uma medida de segurança contra a imigração ilegal e o contrabando de drogas.

Houve também inúmeros relatos do uso de força excessiva em batidas e prisões arbitrárias, resultando na morte de pelo menos uma pessoa, no ferimento de muitas pessoas e na destruição de casas. Os detentos incluem centenas de mulheres e crianças vulneráveis

Os centros de detenção estão recebendo muito mais do que sua capacidade, já que os edifícios do maior centro de detenção da Líbia estão atualmente com mais de quatro mil pessoas – quatro vezes sua capacidade. Quanto ao Centro de Detenção de Rua Al-Zawiya, que é somente para mulheres e crianças, seus detentos aumentaram de apenas 71 pessoas no início de setembro para mais de 520 pessoas hoje, com mais de 175 crianças, incluindo 47 bebês.

LEIA: Corpos de 17 refugiados náufragos são arrastados para a costa da Líbia

A equipe do IRC que visitou alguns dos centros de detenção relatou condições terríveis devido à grave superlotação e à falta de serviços básicos, incluindo o fraco acesso a água limpa, saneamento e alimentação.

Centenas também estão sendo mantidas atualmente em um dos centros, em um pátio aberto sem teto para protegê-las. Alguns detentos, que foram forçados a dormir no chão sem colchões ou cobertores, relataram ter recebido apenas uma refeição por dia desde sua detenção há cerca de uma semana.

A este respeito, o diretor do escritório do Comitê Internacional de Resgate na Líbia, Tom Garofalo, diz:

“Estamos profundamente preocupados com as condições críticas e desoladoras que os migrantes enfrentam agora em centros de detenção perigosamente superlotados”.

“Nossas equipes ouviram relatos de que algumas pessoas foram forçadas a usar o chão onde dormem como banheiro, porque não lhes é permitido o acesso a banheiros localizados fora do local de detenção”.

“Estamos particularmente preocupados com a potencial propagação de doenças infecciosas em condições tão restritivas e insalubres”. Nossas equipes identificaram recentemente casos de tuberculose entre detentos arbitrários, enquanto também houve casos suspeitos de covid-19″.

“Com a continuidade de mais batidas e a probabilidade de um aumento do número de migrantes vulneráveis em detenção, é apenas uma questão de tempo até que os centros de detenção alcancem seu ponto de ruptura”.

A agência adverte que, não apenas milhares de migrantes e refugiados recentemente detidos com grande necessidade de assistência, centenas de migrantes e refugiados que vivem na área de Trípoli estão atualmente escondidos por medo de serem detidos arbitrariamente.

Aqueles que estão escondidos estão solicitando apoio urgente, como comida, água e medicamentos, mas as agências humanitárias não conseguem alcançá-los devido às constantes batidas.

Categorias
ÁfricaCoronavírusIRCLíbiaNotíciaOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments