Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Itália tenta obter testemunho de orientadora de doutorando morto no Egito

Protesto na Itália em memória do estudante Giulio Regeni, assassinado no Egito, em 25 de janeiro de 2020 [MARCO BERTORELLO/AFP via Getty Images]

Em visita a Cambridge, no Reino Unido, uma delegação do parlamento italiano tenta persuadir a professora Maha Mahfouz Abdelrahman, orientadora do falecido estudante Giulio Regeni, a testemunhar sobre a natureza de sua pesquisa de doutorado.

O assassinato de Giulio Regeni no Egito [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

Regeni foi assassinato no Egito no início de 2016, acusado de espionagem. Seu corpo foi encontrado no acostamento de uma rodovia com marcas visíveis de tortura.

O estudante pesquisava sindicatos independentes no país pós-revolução e foi filmado e delatado por um informante às forças de segurança do governo militar.

Uma autópsia identificou tortura anterior à sua morte. Soldados egípcios quebraram seus dentes e fraturaram ossos da clavícula, mãos, bacia e pés; o doutorando italiano foi eventualmente morto com um golpe no pescoço.

Em 2019, uma testemunha apresentou-se para informar ter ouvido de um agente de inteligência que um “cara italiano” foi espancado por ser um espião.

“Pensamos que ele era um espião inglês … logo que entrou no carro, tivemos de bater nele. Eu dei um golpe no seu rosto”, disse o oficial egípcio, conforme o relato.

Em 2017, a Promotoria Pública da Itália enviou uma petição formal ao Reino Unido para questionar sua orientadora, após queixar-se de que Abdelrahman faltou duas vezes a uma reunião com investigadores, na delegacia de Cambridge.

O jornal italiano La Repubblica reportou que Regeni tinha receios sobre a pesquisa e supostamente sentiu-se pressionado, como confidenciou à sua mãe durante uma conversa por Skype: “Tive que avançar no assunto … Maha insistiu nisso”.

LEIA: Egito pode aceitar refugiados de volta em troca de incentivos da Itália, diz Al-Araby Al-Jadeed

Uma fonte legal no Egito afirmou à rede Al-Arabi Al-Jadeed que Abdelrahman deve cooperar com o inquérito, incluindo entrevistas gravadas.

O julgamento na capital italiana, conduzido in absentia contra quatro oficiais egípcios, terá início em 14 de outubro, mais de cinco anos após o corpo do estudante ser descoberto.

O regime do presidente e general Abdel Fattah el-Sisi, no entanto, recusa-se consistentemente a cooperar com a investigação e nega a extradição dos suspeitos.

Roma sofre pressão para responsabilizar o Cairo pela morte de Regeni. Ainda assim, pelo segundo ano consecutivo, o Egito foi identificado como um dos principais consumidores de armas do país europeu, segundo a Rede Italiana por Paz e Desarmamento.

Categorias
ÁfricaEgitoEuropa & RússiaItáliaNotíciaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments