Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-comissária da ONU insta Emirados Árabes a liberar Ahmed Mansoor

Ativista de direitos humanos emiradense Ahmed Mansour, em 25 de setembro de 2012 [Bloomberg/Getty Images]
Ativista de direitos humanos emiradense Ahmed Mansour, em 25 de setembro de 2012 [Bloomberg/Getty Images]

A ex-alta comissária de direitos humanos da ONU e primeira mulher presidente da Irlanda, Mary Robinson, exortou hoje os Emirados Árabes Unidos a libertarem o ativista pró-democracia preso em 2018 por criticar o governo nas mídias sociais, informou a Reuters.

Grupos de direitos dizem que Ahmed Mansoor, que está cumprindo uma pena de dez anos, pode estar sofrendo um tratamento que equivale à tortura. Os Emirados Árabes Unidos negaram torturá-lo.

“Ele é considerado pela comunidade de direitos humanos como um corajoso defensor dos direitos humanos”, disse Robinson enquanto se dirigia a um evento climático na feira mundial Expo Dubai. “Este [libertá-lo] seria um movimento oportuno também solicitado pelo parlamento da União Europeia”.

Quando contatado para comentários, o Ministério das Relações Exteriores dos Emirados encaminhou à Reuters uma declaração anterior em que rejeita um relatório da Human Rights Watch (HRW) expressando preocupação com o bem-estar de Mansoor.

Robinson, ex-presidente irlandêsa, disse que foi enganada em 2018 quando foi convidada a ir a Dubai verificar a filha do governante do emirado que tentou fugir de sua família, mas foi capturada de um barco em águas internacionais ao largo da Índia.

LEIA: Grupos de direitos humanos pedem aos Emirados Árabes para libertar defensores e ativistas durante a Expo

A família na época divulgou fotos da filha, a Sheikha Latifa Bint Mohammed Al-Maktoum, sentada com Robinson, que disse à BBC em fevereiro que ela não havia perguntado a Latifa sobre sua situação.

Latifa emitiu uma declaração em junho dizendo que agora ela tinha liberdade para viajar depois que fotos na rede social a mostraram no exterior, quatro meses depois que a BBC transmitiu uma mensagem em vídeo na qual Latifa disse que ela estava sendo mantida em cativeiro.

O seu caso chamou a atenção para os assuntos familiares do governante de Dubai, Sheikh Mohammed Bin Rashid Al-Maktoum, que também é vice-presidente e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos.

O estado do Golfo não tolera dissidências. HRW diz que centenas de ativistas, acadêmicos e advogados estão cumprindo longas sentenças, em muitos casos após julgamentos injustos com base em acusações amplas.

O fiscalizador internacional dos direitos disse que Mansoor tem sido mantido em grande parte incomunicável e negado uma cama e um colchão. O Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos disse em julho que isto era “categoricamente falso”.

Categorias
Emirados Árabes UnidosEuropa & RússiaIrlandaNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments