Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tunísia prende parlamentar e âncora de TV por críticas ao presidente

Polícia tunisiana monta guarda em frente ao parlamento, em Túnis, 27 de julho de 2021 [FETHI BELAID/AFP via Getty Images]
Polícia tunisiana monta guarda em frente ao parlamento, em Túnis, 27 de julho de 2021 [FETHI BELAID/AFP via Getty Images]

A polícia tunisiana invadiu no domingo (3) a residência do parlamentar Abdellatif Alaoui, membro da Coalizão por Dignidade (Al Karama), para prendê-lo sob acusações de “conspirar contra a segurança do estado”.

Em postagem no Facebook, escreveu Alaoui: “Um esquadrão do al-Gorjani [centro de segurança] está invadindo minha casa e me prendente neste momento”.

O Ennahda — maior bloco parlamentar do país, com 53 assentos — corroborou que um grupo policial prendeu Alaoui e o jornalista Amer Ayad, ao invadir suas casas, intimidar suas famílias e encaminhá-los a investigações militares sem prazo previsto.

O Ennahda reiterou seu repúdio aos avanços das autoridades para julgar civis em cortes militares — “pois viola seu direito a um julgamento justo”.

Em comunicado, o tradicional movimento político destacou “a necessidade de respeitar a independência do judiciário” e advertiu contra “tentativas de contornar tamanha conquista democrática ao levar prisioneiros às cortes militares”.

LEIA: Tunísia assina quatro contratos com empresas de petróleo da França

Segundo o partido, as ações repressivas do regime de Kais Saied — após sua tomada de poder em julho — “recordam os tunisianos de uma era de tirania e injustiça”.

O Ennahda expressou “receios de que a prisão do parlamentar Abdellatif Alaoui tenha intuito de impedir quórum da Assembleia dos Representantes do Povo, como mais outra agressão ao legislativo e seu papel de fiscalização determinado pela constituição”.

O mais alto órgão do parlamento tunisiano inclui 13 membros, dentre os quais, o presidente da câmara, Rached Ghannouchi, e seus dois adjuntos. Contudo, seus encontros somente são válidos caso dois terços dos membros estejam presentes.

Na sexta-feira (1°), o parlamento confirmou em nota o reinício de suas operações, ao rechaçar as medidas de Saied e acusá-lo de tentar fechar a câmara legislativa.

Saied tomou para si plenos poderes executivos em 25 de julho, sob pretexto de “emergência nacional”, ao destituir o premiê Hichem Mechichi e congelar o parlamento.

A maioria dos partidos políticos tunisianos condenaram a medida como golpe contra a constituição e as conquistas democráticas da revolução de 2011.

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments