Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vítimas registram queixas de tortura contra candidato à Interpol dos Emirados Árabes

Major General Ahmed Nasser Al-Raisi [Wikipedia]
Major General Ahmed Nasser Al-Raisi [Wikipedia]

Duas vítimas britânicas apresentaram queixas de tortura contra o candidato dos Emirados Árabes à chefia do órgão internacional de policiamento Interpol, informou a Forbes na sexta-feira, observando que as queixas foram submetidas a promotores franceses.

Matthew Hedges é um acadêmico britânico preso nos Emirados Árabes em maio de 2018 e alegou que foi mantido em confinamento solitário, torturado e coagido a fazer uma confissão falsa. Ele atribui a responsabilidade pelo que aconteceu com ele ao major-general Dr. Ahmed Naser Al-Raisi, o candidato dos Emirados Árabes para a Interpol.

Enquanto isso, Ali Issa Ahmad disse que foi detido em 2019 por apoiar um time de futebol do Catar. Ele também alegou que foi torturado e culpou Al-Raisi pela responsabilidade.

O advogado francês Rodney Dixon apresentou as queixas em nome dos dois homens ao abrigo do princípio da jurisdição universal, o que permitiria às autoridades francesas investigar e prender estrangeiros por certos crimes, mesmo que ocorressem fora da França.

De acordo com a reportagem da Forbes, Al-Raisi não pode reclamar imunidade por não ser chefe de Estado e, se o caso for levado pela França, Al-Raisi poderá ser preso e interrogado ao entrar em território francês, incluindo Lyon, onde a Interpol está sediada.

Não foi a primeira reclamação que pode impedir Al-Raisi de chefiar a Interpol, já que um grupo de 35 membros do Parlamento francês escreveu ao presidente Emmanuel Macron pedindo-lhe que se opusesse à nomeação de Al-Raisi.

Em abril, conforme relatado pela Forbes, um ex-diretor de promotoria pública no Reino Unido também pediu aos membros da Interpol que rejeitassem a candidatura de Al-Raisi, em um relatório que chamou a atenção para supostas violações dos direitos humanos pelos Emirados Árabes.

Em junho, um advogado que representa o ativista de direitos humanos Ahmed Mansoor, que está passando dez anos na prisão por causa de postagens nas redes sociais, também fez uma queixa de jurisdição universal contra Al-Raisi na França, com base em alegações de tortura de seu cliente.

As equipes jurídicas de Hedges e Ahmad também entraram com processos civis no Reino Unido contra várias autoridades dos Emirados Árabes, incluindo Al-Raisi.

Falando em uma coletiva de imprensa em Lyon ontem, Hedges afirmou: “Na verdade, não posso acreditar que quase três anos depois de ser finalmente libertado, tenho que viajar para a sede da Interpol para pedir-lhes que não aceitassem um dos homens responsáveis pela minha tortura como seu próximo presidente”.

A presidência da Interpol é um cargo não remunerado a tempo parcial, com a gestão quotidiana da organização a cargo de um secretário-geral.

O presidente, no entanto, tem influência significativa, presidindo as reuniões da assembleia geral e do comitê executivo da Interpol.

O deputado francês Hubert Julien-Laferrière confirmou na sexta-feira que ele e outros parlamentares haviam escrito a Macron para pedir que Paris se opusesse à nomeação de Al-Raisi, mas não houve resposta, informou o News in 24.

“As vendas de armas da França aos Emirados Árabes certamente explicam grande parte do silêncio das autoridades francesas”, observou Julien-Laferrière, temendo que os Emirados Árabes atinjam seu objetivo como “segundo contribuidor da Interpol”.

Categorias
Emirados Árabes UnidosInterpolNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments