Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA pediram que a China reduza compra de petróleo do Irã

Uma visão geral do Terminal Petrolífero do Porto da Ilha de Kharg, no Irã, em 12 de março de 2017 [Fatemeh Bahrami / Agência Anadolu]

Os Estados Unidos entraram em contato com a China diplomaticamente sobre a redução de suas compras de petróleo bruto iraniano, disseram autoridades americanas e europeias ontem, enquanto Washington tenta persuadir Teerã a retomar as negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015.

A Reuters relatou que as compras de petróleo iraniano por empresas chinesas teriam ajudado a manter a economia do Irã à tona, apesar das sanções dos EUA destinadas a impedir essas vendas e pressionar o Irã a conter seu programa nuclear.

“Estamos cientes das compras que as empresas chinesas estão fazendo do petróleo iraniano”, disse um alto funcionário dos EUA que falou sob condição de anonimato devido à delicadeza do assunto.

“Usamos nossas autoridades em sanções para responder à evasão das sanções iranianas, incluindo aqueles que fazem negócios com a China, e continuaremos a fazê-lo se necessário”, acrescentou.

“No entanto, temos abordado isso diplomaticamente com os chineses como parte de nosso diálogo sobre a política do Irã e pensamos que, em geral, este é um caminho mais eficaz para tratar de nossas preocupações”, disse o funcionário.

Separadamente, uma autoridade europeia disse que esta foi uma das questões levantadas pela vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, quando ela visitou a China no final de julho.

LEIA: O Irã deve retornar às negociações nucleares para evitar uma escalada, disse uma autoridade francesa

O funcionário europeu, que também falou sob condição de anonimato devido à sensibilidade da diplomacia nuclear, disse que a China tem protegido o Irã e sugeriu que uma das principais questões o Ocidente é sobre quanto petróleo a China está comprando do Irã.

O Departamento de Estado dos EUA não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as declarações de autoridades americanas e europeias.

A empresa de análise de commodities Kpler estima que as importações de petróleo chinês do Irã no ano até o momento foram em média 553.000 barris por dia até agosto.

As negociações indiretas entre os EUA e o Irã sobre a retomada do acordo de 2015, iniciado em abril, foram suspensas em junho, dois dias depois de Ebrahim Raisi ser eleito presidente do Irã.

Sob o acordo, o Irã concordou em colocar limites em seu programa de enriquecimento de urânio, que é um caminho possível para desenvolver o material físsil para uma arma nuclear, em troca do afrouxamento das sanções econômicas dos EUA, ONU e União Europeia. O Irã negou buscar uma bomba nuclear.

Em 2018, o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou o acordo e impôs duras sanções econômicas que prejudicaram a economia do Irã, embora Teerã continue a fazer vendas de petróleo para clientes, incluindo empresas chinesas.

Depois de esperar por cerca de um ano, o Irã respondeu à revogação do acordo de Trump, começando a realizar algumas das atividades nucleares que havia concordado em restringir sob o pacto, formalmente chamado de Plano de Ação Abrangente Conjunto (JCPOA).

O sucessor de Trump, o presidente Joe Biden, disse que está colocando a “diplomacia em primeiro lugar” com o Irã, mas se as negociações fracassarem, ele estará preparado para recorrer a outras opções não especificadas.

Um oficial da presidência francesa disse a repórteres na terça-feira que o Irã deve retornar às negociações de Viena sobre os Estados Unidos e o Irã retomar o cumprimento do acordo, a fim de evitar uma escalada diplomática que poderia prejudicar as negociações.

O ministro das Relações Exteriores do Irã disse na sexta-feira que retornará às negociações sobre a retomada do cumprimento do acordo nuclear “muito em breve”, mas não deu uma data específica.

Categorias
Ásia & AméricasChinaEstados UnidosNotícia
Show Comments
Show Comments