Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ghannouchi minimiza renúncia em massa de seu partido, na Tunísia

Rached Ghannouchi, presidente do parlamento tunisiano e líder do partido Ennahda, em Túnis, 12 de janeiro de 2021 [Yassine Gaidi/Agência Anadolu]

Rached Ghannouchi, presidente do parlamento tunisiano e líder do movimento Ennahda, minimizou a importância da renúncia de mais de cem membros de seu partido, ao alegar que tais medidas o motivaram a desenvolver o diálogo intrapartidário.

“Lamento profundamente tais renúncias, que afetam, sem dúvida, o movimento e sua coesão”, declarou Ghannouchi em entrevista à Al Jazeera.

Segundo o veterano, no entanto, os filiados decidiram deixar o Ennahda apesar das chances de encontrar uma solução política na próxima conferência do partido.

No total, 131 membros deixaram o Ennahda no sábado (24), ao acusarem a liderança de fracassar em sua resposta às sucessivas crises na Tunísia — social, econômica e sanitária — que culminaram na tomada de poder pelo presidente Kais Saied.

Em julho, Saied destituiu o premiê Hichem Mechichi, congelou o parlamento, outorgou a si próprio autoridade máxima executiva. Opositores apontam golpe de estado; o país permanece em um estado de incerteza política.

Desde a revolução de 2011, que destituiu o longevo ditador Zine el-Abidine Ben Ali, o Ennahda tornou-se o principal partido tunisiano, com maior representação no congresso.

Os ex-filiados do Ennahda atribuíram sua saída a “prejuízos na democracia interna do movimento e decisões unilaterais da liderança … que resultaram em escolhas equivocadas e alianças sem lógica ou benesse, que contradizem nossas promessas eleitorais”.

LEIA: Mais de cem oficiais do Ennahda da Tunísia renunciam em meio a crise

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments