Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Síria detém metade das baixas globais por bombas de fragmentação em 2020

Combatentes da oposição síria mostram cartuchos de bombas de fragmentação atribuídos ao regime de Bashar al-Assad, em Maaret al-Numan, noroeste da Síria, 19 de outubro de 2012 [BULENT KILIC/AFP via Getty Images]

Mais da metade das baixas globais causadas por bombas de fragmentação em 2020 ocorreram na Síria, revelou um relatório divulgado na última semana.

Segundo o documento publicado pela Coligação Contra as Bombas de Fragmentação (CMC), a Síria detém 52% de todas as baixas por munições do tipo ao redor do mundo. Dentre os sírios feridos, um total de 44% são crianças.

“A Síria é o único país a vivenciar uso contínuo de tais armas desde 2012 … causando imenso sofrimento humano tanto diretamente dos ataques, quanto de reminiscências explosivas deixadas para trás”, observou o relatório.

Ao longo de mais de uma década de guerra, o regime de Bashar al-Assad utilizou bombas de fragmentação contra forças da oposição em áreas predominantemente civis no país.

LEIA: A ONU fracassou com a Síria ou é cúmplice dos crimes do regime?

A Rússia — aliada de Assad — também adotou o armamento, ao auxiliar o regime e, segundo indícios, servir de principal fornecedor ao exército sírio.

A alta mortalidade resultante do uso de bombas de fragmentação, sobretudo entre crianças, deve-se ao fato de que Assad e aliados regularmente atacam escolas e hospitais.

De acordo com o relatório, a adoção de bombas de fragmentação pela Síria é tão alta que representa 80% das baixas mundiais desde 2012, com ao menos 687 ataques com munições do tipo registrados até então.

O uso de bombas de fragmentação por Damasco e Moscou também viola a lei internacional, dado que a Convenção sobre Bombas de Fragmentação (CCM) proíbe seu emprego em campo, compra e mesmo armazenamento de tais armas.

Categorias
Europa & RússiaNotíciaOriente MédioRússiaSíria
Show Comments
Show Comments