Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tunísia acusa a Etiópia de “emitir declaração imprecisa” sobre a barragem

Ministro das Relações Exteriores da Tunísia, Othman Jerandi em Berlim, Alemanha em 23 de junho de 2021 [Thomas Imo / photothek.de / Pool / Agência Anadolu]

A Tunísia nunca foi contra nenhuma das partes envolvidas na questão da Grande Barragem do Renascimento Etíope (GERD), disse ontem o ministro das Relações Exteriores, Othman Jerandi.

“A Tunísia tem trabalhado muito para estabelecer contatos com a Etiópia sobre esse assunto”, disse Jerandi durante a reunião consultiva anual da Liga Árabe.

Os comentários de Jerandi vieram dias depois de declarações de Addis Abeba dizendo que a Tunísia estava “cometendo um erro histórico ao enviar um projeto de resolução ao Conselho de Segurança da ONU para impedir o segundo enchimento da barragem”.

Ele acusou a Etiópia de “espalhar falsidades” sobre o assunto.

Em resposta, o Ministério das Relações Exteriores da Etiópia disse que a Tunísia estava minando o que descreveu como “sua venerável responsabilidade como membro rotativo do Conselho de Segurança com assento na África”.

O Conselho de Segurança da ONU emitiu recentemente uma declaração presidencial pedindo a retomada das negociações sobre a Grande Barragem do Renascimento Etíope (GERD).

LEIA: Sudão aceita oferta de mediação da Turquia para encerrar disputas com a Etiópia

O comunicado dizia que o conselho não era o “órgão competente nas disputas técnicas e administrativas sobre mananciais e rios”, convocando as partes “a retomar o Acordo de Princípios de 2015”.

“Egito, Sudão e Etiópia devem avançar de forma construtiva e cooperativa em um processo de negociação liderado pela União Africana”, enfatizou o conselho.

A Etiópia está construindo uma barragem de US $ 5 bilhões perto da fronteira com o Sudão, e afirma que fornecerá ao país a eletricidade e a regeneração econômica tão necessárias. O Egito acredita que a represa vai restringir seu acesso às águas do Nilo.

O Egito depende quase inteiramente da água do Nilo, recebendo cerca de 55,5 milhões de metros cúbicos por ano do rio, e acredita que o enchimento da barragem afetará a água de que necessita para beber, agricultura e eletricidade.

O Egito quer que a Etiópia lhe garanta 40 bilhões de metros cúbicos ou mais de água do Nilo.

Há também uma questão não resolvida sobre a rapidez com que a barragem será preenchida, com o Egito temendo que, se isso acontecer muito rapidamente, poderia afetar a eletricidade gerada pela barragem de Aswan High.

Em julho, a Etiópia informou aos países a jusante, Egito e Sudão, que havia iniciado a segunda fase de enchimento do reservatório da barragem em um esforço para aproveitar a estação chuvosa. O Egito respondeu dizendo: “Addis Abeba está violando as leis e normas internacionais e está tratando o Rio Nilo como sua propriedade.”

Etiópia renova compromisso com a mediação da UA em negociações sobre barragens – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotíciaSudãoTunísia
Show Comments
Show Comments