Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Escritório de Direitos da ONU está ‘profundamente preocupado’ com a situação dos direitos humanos no Iêmen

Houthis verificam armas em caminhões militares durante uma reunião tribal, em 1 de agosto de 2019 em Sana'a, Iêmen [Mohammed Hamoud/Getty Images]

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos está “profundamente preocupado” com a situação dos direitos humanos no Iêmen, onde todas as partes do conflito estão “violando” o direito internacional dos direitos humanos.

“Civis em todo o país estão pagando um alto preço, enquanto grupos armados controlam o território e exercem o poder em total desrespeito aos direitos humanos e ao direito internacional humanitário”, disse a porta-voz do OHCHR, Marta Hurtado, em um comunicado.

O comunicado menciona a execução pelos rebeldes houthis de nove iemenitas em 18 de setembro, incluindo um que supostamente era menor de idade no momento de sua prisão.

“Os réus foram condenados à morte em um processo judicial que violou seus direitos constitucionais e não respeitou os padrões de julgamento justo segundo o direito internacional”, disse o comunicado.

A declaração também apontou para o uso repetido de drones e ataques de mísseis pelos houthis e pela coalizão liderada pela Arábia Saudita, que “resultaram em vítimas civis e danos ou destruição de objetos civis, tanto no Iêmen quanto no Reino [Saudita]”.

“Relatos de que as forças de segurança das autoridades do Conselho de Transição do Sul (apoiadas pelos Emirados Árabes) usaram força desnecessária e desproporcional aos manifestantes que protestavam contra a deterioração das condições de vida e a falta de serviços públicos levantam o mesmo nível de preocupação”, acrescentou.

A declaração enfatizou que “quaisquer ataques contra objetos civis ou contra civis que não participam diretamente das hostilidades podem constituir um crime de guerra”.

Exortou todas as partes em conflito a cumprir suas obrigações de acordo com o Direito Internacional Humanitário e a conduzir investigações com o objetivo de responsabilizar os autores ​​por quaisquer violações.

LEIA: Desculpas e compensações não são suficientes para curar as vítimas de ataques de drones

Categorias
IêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments