Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Europa propõe boicote a feira mundial de Dubai, adiada pela pandemia

Pavilhão Sustentabilidade da Expo 2020 de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, 3 de fevereiro de 2021 [Francois Nel/Getty Images]

Apenas um mês antes da data prevista para sua abertura, adiada pela pandemia, a Expo 2020 sediada em Dubai tornou-se alvo de críticas contundentes na Europa, com possibilidade real de boicote por diversos países aos cinco meses de evento.

A detenção do ativista Ahmed Mansoor levou o Parlamento Europeu a apoiar uma resolução para que estados-membros não participem da feira mundial no país do Golfo, além de suspender a exportação de tecnologia de vigilância a Abu Dhabi.

“Autoridades dos Emirados Árabes Unidos violaram os direitos de Ahmed Mansoor por mais de dez anos, com prisão arbitrária, ameaças de morte, agressão física, vigilância do governo e tratamento desumano em custódia”, reportou a resolução europeia.

Ao mencionar um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), o documento observou ainda que Mansoor provavelmente sofreu tortura.

Os representantes europeus condenaram as justificativas para a prisão: “[Mansoor] conclamou por eleições diretas e universais nos Emirados e para que o Conselho Nacional Federal, órgão consultivo do governo, possuísse poderes legislativos”.

“Além disso, [Mansoor] administrava um fórum online chamado Al-Hiwar al-Emarati (Diálogo Emiradense), no qual criticava políticas públicas”, prosseguiu a resolução.

LEIA: Empresa israelense fornece drones para aumentar a segurança dos Emirados Árabes Unidos

Violações mais abrangentes também foram citadas no Parlamento Europeu: “Há perseguição sistemática contra ativistas de direitos humanos, jornalistas, advogados e professores que denunciam questões políticas ou de direitos humanos no país”.

Os congressistas da Europa destacaram que, desde 2011, Abu Dhabi intensificou sua repressão às liberdades de associação, assembleia e expressão.

“Ativistas de direitos humanos e seus familiares são submetidos a desaparecimento, detenção arbitrária, tortura, assédio judicial, julgamentos injustos, restrições de viagem, vigilância física e digital e demissão sem justa causa”, compilou o documento.

Segundo os autores da proposta, o sofrimento imposto aos ativistas resultou na resolução com diversas recomendações políticas, além do boicote à Expo 2020.

O Parlamento Europeu então convidou “empresas estrangeiras a retirar seu patrocínio da feira mundial de Dubai e encorajar estados-membros a não participar do evento … a fim de expressar seu repúdio às violações de direitos humanos nos Emirados Árabes Unidos”.

Categorias
Emirados Árabes UnidosNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioUnião Europeia
Show Comments
Show Comments