Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

De ‘muro de ferro’ à ‘vila na selva’, palestinos demolem os mitos de segurança de Israel

Palestinos sobem no topo do polêmico muro de separação de Israel entre a vila de Bilin na Cisjordânia, perto de Ramallah, e o assentamento israelense de Modiin Ilit durante uma manifestação contra assentamentos na área, em 17 de fevereiro de 2017 [Abbas Momani/ AFP via Getty Images]

Vinte e cinco anos antes de Israel ser estabelecido nas ruínas da Palestina histórica, um líder sionista judeu russo, Ze’ev Jabotinsky, argumentou que um estado judeu na Palestina só poderia sobreviver se existir “atrás de um muro de ferro” de defesa. Jabotinsky estava falando figurativamente, mas os líderes sionistas depois dele, que abraçaram seus ensinamentos, acabaram por transformar o princípio do muro de ferro em uma realidade tangível. Israel e Palestina estão agora desfigurados por muros intermináveis, feitos de concreto e ferro, que ziguezagueiam dentro e ao redor de uma terra que deveria representar inclusão, harmonia espiritual e coexistência.

Gradualmente, novas ideias sobre a “segurança” de Israel surgiram, como “fortaleza de Israel” e “villa na selva”, uma metáfora obviamente racista usada repetidamente pelo ex-primeiro-ministro israelense Ehud Barak, que retrata Israel falsamente como um oásis de harmonia e democracia em meio ao caos e à violência do Oriente Médio. Para que a “villa” israelense permanecesse próspera e pacífica, de acordo com Barak, o estado precisava fazer mais do que apenas manter sua vantagem militar; precisava garantir que o “caos” não violasse os perímetros da existência perfeita de Israel.

O então primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu discursa durante uma reunião de seu partido Likud em Tel Aviv em 6 de maio de 2012 [Jack Guez/ AFP via Getty Images]

A “segurança” para Israel não é, portanto, simplesmente vista através de lentes militares, políticas e estratégicas. Nesse caso, o tiro de um atirador israelense, Barel Hadaria Shmuel, por um palestino na cerca que separa o sitiado Israel de Gaza em 21 de agosto deveria ter sido entendido como o custo previsível e racional de uma guerra perpétua e ocupação militar.

Além disso, um atirador morto do exército para mais de 300 palestinos desarmados mortos a tiros por atiradores deveria, em termos de um cálculo militar rudimentar, parecer um preço “razoável” a pagar em um sentido puramente militar. Mas a linguagem usada por funcionários e mídia israelenses após a morte de Shmuel – cujo trabalho incluía matar e mutilar jovens palestinos – indica que o sentimento de abatimento de Israel não está ligado à suposta tragédia de uma vida perdida, mas às expectativas irrealistas de que ocupação militar e “segurança” podem coexistir; que um pode garantir o outro.

Os israelenses querem ser capazes de matar, sem serem mortos em troca; subjugar e ocupar os palestinos militarmente sem o menor grau de resistência, armada ou não. Eles querem prender milhares de palestinos sem o menor protesto ou mesmo o mais básico questionamento do sistema judicial militar de Israel. E, no entanto, essas fantasias coloniais, que satisfizeram e guiaram o pensamento de sucessivos líderes sionistas e israelenses desde Jabotinsky, funcionam apenas na teoria.

LEIA: A cruel e ilegal realidade dos presos palestinos

Vez após vez, a resistência palestina zombou dos mitos de segurança de Israel. Os grupos de resistência em Gaza cresceram exponencialmente em suas capacidades, seja para impedir o exército israelense de entrar e manter posições na Faixa de Gaza ou para revidar as cidades israelenses. A eficácia de Israel em vencer guerras e manter seus ganhos foi muito prejudicada em Gaza, assim como seus esforços também foram frustrados repetidamente no Líbano nas últimas duas décadas.

Até mesmo o sistema de defesa contra mísseis Iron Dome – uma “parede de ferro” de um tipo diferente – foi um fracasso em termos de sua capacidade de interceptar foguetes palestinos de fabricação tosca. O professor Theodore Postol, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), argumentou que a taxa de sucesso do sistema é “drasticamente menor” do que o que o governo e o exército israelense relataram.

Até mesmo a “villa” israelense foi comprometida internamente quando o levante popular palestino de maio de 2021 demonstrou que os cidadãos árabes palestinos de Israel continuam sendo uma parte orgânica da comunidade palestina mais ampla. A violência infligida pela polícia e militantes de direita, que muitas comunidades árabes dentro de Israel tiveram que suportar por assumir uma postura moral em apoio a seus irmãos em Jerusalém ocupada, Cisjordânia e Gaza, mostrou que a suposta “harmonia” dentro de Barak “villa” era uma construção frágil que se estilhaçou em poucos dias.

No entanto, Israel ainda se recusa a aceitar o que é óbvio e obviamente inevitável: um país que existe apenas devido a “paredes de ferro” e força militar nunca será capaz de encontrar a paz verdadeira e sempre sofrerá as consequências da violência que inflige outros.

Outro ataque a Gaza: Israel espremendo a vida de Gaza – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Uma carta pública emitida pelo chefe do Estado-Maior do Exército israelense, Aviv Kochavi, em 4 de setembro, em resposta às críticas públicas generalizadas à morte do atirador, destacou ainda uma das principais falhas nacionais de Israel. “A prontidão para sustentar uma perda de vidas é crucial para a resiliência nacional”, escreveu Kochavi, “e essa resiliência é vital para a continuação de nossa própria existência”. Sua afirmação soou alarmes em todo o país, gerando polêmica política.

Isso foi agravado pela notícia de que seis prisioneiros palestinos haviam escapado da prisão de alta segurança de Gilboa, em Israel, em 6 de setembro. Enquanto os palestinos comemoravam a fuga ousada, Israel mergulhou em mais uma grande crise de “segurança”. Este único ato dos combatentes pela liberdade palestinos que buscam escapar do gulag israelense que carece dos requisitos mínimos de justiça ou estado de direito foi tratado pela mídia israelense como se o próprio colapso do estado de segurança fosse iminente. A recaptura de quatro dos fugitivos fez pouco para alterar essa realidade.

LEIA: Professores palestinos repudiam normalização com Israel

As paredes de ferro de Israel estão se despedaçando e a fortaleza está desmoronando, não apenas porque os palestinos nunca param de resistir, mas também porque a mentalidade militarista pela qual Israel foi concebido, construído e sustentado foi um fracasso desde o início.

O problema de Israel é que sua fortaleza militar foi construída com grandes falhas de projeto que nunca foram corrigidas ou mesmo abordadas. Nenhuma nação na terra pode desfrutar de segurança, paz e prosperidade a longo prazo às custas de outra nação, desde que esta nunca cesse sua luta pela liberdade. É possível que os primeiros sionistas não levassem em consideração que a resistência palestina poderia durar tanto tempo e que o bastão da luta pela liberdade poderia passar de uma geração para a outra. Cabe a Israel aceitar esta realidade inevitável porque até e a menos que abandone suas infinitamente tolas fantasias de “segurança”, nunca poderá haver paz verdadeira na Palestina ocupada, nem para os palestinos ocupados e oprimidos, nem para os ocupantes israelenses.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments