Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A luta para ganhar a vida em Gaza começa na idade escolar graças ao cerco cruel de Israel

Desemprego explode em Gaza com 43% da população fora do trabalho.

O início do novo ano letivo na Faixa de Gaza sitiada viu pouco menos de 300.000 alunos entre seis e 17 anos de idade comparecerem às aulas; mais de 20.000 estão frequentando a escola pela primeira vez, muitas vezes em salas de aula superlotadas. Apesar da situação difícil em Gaza e das repetidas ofensivas militares israelenses, as crianças de Gaza geralmente gostam de frequentar a escola.

Entretanto, há centenas que se levantam cedo todos os dias, mas não vão à escola. Elas perambulam pelas ruas em busca de trabalho para ganhar algum dinheiro para suas famílias. Mahmoud Al-Borsh, 13 anos, é um deles. Ele sai de casa às 6 da manhã todos os dias e só volta às 6 da tarde sem dinheiro suficiente para comprar o sabonete necessário para lavar suas roupas.

“Levanto-me assim que sinto o sol no céu, me preparo para o trabalho e saio”, disse-me ele. “Nem sempre sei para onde ir, mas começo com os sacos de lixo e caixotes do lixo na área próxima à minha casa”. Seu trabalho, tal como é, o vê tentando coletar sucata e plástico. É muito difícil, e ele trabalha o dia inteiro, muitas vezes acabando com apenas 10 shekels (3 dólares) no bolso. Também é muito perigoso, porque a sucata poderia ter sido usada para segurar produtos químicos perigosos e líquidos perigosos.

Nos territórios ocupados, o lixo doméstico não é descartado em recipientes separados, com um para latas, um para plástico e papelão, e um para perecíveis e outras coisas. Tudo vai para um saco de nylon e é colocado na porta para ser recolhido pelos trabalhadores da limpeza. É por isso que dezenas de jovens como Mahmoud Al-Borsh saem de casa cedo, para verificar as sacolas antes da chegada da equipe de limpeza. Muitos então seguem o caminhão de lixo até o depósito e vão buscar os itens vendáveis lá.

LEIA: Palestina, uma identidade contra a ameaça de apagamento

Segundo o Escritório Central de Estatísticas da Palestina, quase 5.000 de 372.600 crianças trabalhavam em Gaza em 2018, com idades entre 10 e 17 anos. Quase 2.000 crianças trabalhavam em tempo parcial antes ou depois da escola.

Al-Borsh enfrenta o calor e o congestionamento do trânsito para ir trabalhar quando outras crianças estão indo à escola. “Fico triste quando vejo as outras crianças indo para a escola, porque espero que um dia eu possa me juntar a elas. No entanto, estou muito feliz por poder ganhar algum dinheiro para a alimentação de minha família”. Há dez pessoas em sua família direta, portanto, o que quer que ele traga para casa é muito bem-vindo.

Ele está perdendo a esperança sobre suas perspectivas de educação, no entanto. “Como posso aprender a ler e escrever depois de ter perdido todas as lições primárias e preparatórias”? Além disso, ele já ouviu falar de alguém que estudou engenharia informática na universidade e agora está vendendo milho cozido nas ruas. De que serve a educação quando não há empregos no final dela sob o bloqueio de Gaza imposto por Israel?

O comerciante de sucata de metal e plástico Abu Yahya me disse que ele compra artigos de pelo menos 50 crianças todos os dias. “Todas elas estão em idade escolar”.

As difíceis condições de vida, explicou ele, levaram essas crianças a conseguir qualquer tipo de trabalho, mesmo que elas não ganhem muito dinheiro com isso. “O máximo que elas podem esperar”, disse Abu Yahya, “é provavelmente 15 shekels (4,50 dólares) por dia”. Mas para uma família que vive abaixo da linha de pobreza e precisa desesperadamente de alimentos, isso é uma contribuição importante para o orçamento”.

Procurei o engenheiro de computação mencionado por Al Borsh e o encontrei na orla do Mediterrâneo. Seu nome é Hamdi Lubbad e ele tem 26 anos de idade. Ele estudou engenharia informática em uma das universidades de Gaza, mas não conseguiu encontrar um emprego, então vende milho cozido para sustentar sua família.

Engenheiro de computação palestino, Hamdi Lubbad

“Após completar meu bacharelado, passei dois anos procurando trabalho, mas não consegui encontrar nenhum”, explicou ele. “Eu precisava de um emprego porque tinha que conseguir comida e remédios para minha mãe, que tem câncer”. Por isso pensei em ter este carrinho. Eu o uso para vender milho cozido no verão e sahlab – uma bebida palestina quente – no inverno”.

Lubbad negocia sob o nome de “O Engenheiro”; ele não quer que as pessoas pensem que ele não é instruído. É importante para ele que saibam que ele é um engenheiro e vender milho não é sua opção de emprego preferida. A maioria das pessoas entenderá que o bloqueio israelense imposto desde 2007 é o culpado pela falta de oportunidades de emprego.

Segundo Lubbad, ele não é o único graduado universitário que tem um emprego na orla. Ela conta com dezenas de pessoas que vendem milho, eletrodomésticos, cigarros, bebidas quentes ou frias e assim por diante. “Pessoas como nós não precisam de muito dinheiro para nos colocar em negócios tão pequenos”, acrescentou ele.

“A desastrosa situação econômica na Faixa de Gaza é o resultado direto do bloqueio israelense”, disse Mohammad Abu Jayyab, editor-chefe do jornal Al-Eqtisadiyeh. “O desemprego está em níveis recordes”. Toda a situação, advertiu ele, é quase “irreparável”.

Mohammad Abu Jayyab, editor-chefe do jornal Al-Eqtisadiyeh

A ajuda humanitária internacional, ele apontou, é para emergências, não a longo prazo. “Depois de algumas semanas, as famílias precisam de outras coisas além de comida”. Elas precisam de roupas, eletrodomésticos, reparos domésticos, eletricidade, água potável; coisas que não estão sendo oferecidas por doadores e instituições de caridade”.

Jamal Al-Khodari MP é o chefe do Comitê Popular contra o Bloqueio Israelense em Gaza. Ele me disse que mais de 85% das famílias palestinas em Gaza sofrem com a insegurança alimentar. “Elas vivem sob a linha oficial de pobreza e não têm nada em casa para comer ou beber apenas dias depois de receberem cupons de alimentos das instituições de caridade internacionais”. Além disso, como o vice-ministro do Trabalho em Gaza, Ihab Al-Ghussein, observou: “Há 270.000 profissionais e graduados universitários que estão à procura de emprego na Faixa de Gaza”. Os recém-formados se juntam à busca desses empregos esquivos no final de cada ano acadêmico.

Os três – Abu Jayyab, Al-Khodari e Al-Ghussein – reiteraram que Israel deve acabar com o cerco imposto à Faixa de Gaza. Se não o fizer, o enclave sitiado está caminhando para uma situação econômica e social ainda mais desastrosa e ninguém sabe aonde isso nos levará. Não podemos dizer que não tenhamos sido avisados.

LEIA: Quantos palestinos mais devem morrer pela “segurança” de Israel?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
IsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments