Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Aliança de jovens espera amenizar crise política na Tunísia

Tunisianos protestam em resposta aos problemas no país em Túnis, Tunísia, em 25 de julho de 2021 [Yassine Gaidi/Agência Anadolu]

Os jovens da Tunísia formaram a Aliança Juvenil pela Democracia, com o objetivo de trabalhar para resolver a crise política no país, uma vez que o presidente da República anunciou em julho que estava congelando o parlamento, demitindo o primeiro-ministro e assumindo o poder executivo, relatou a Agência Anadolu.

Yassine Fathali, da Associação Juvenil de Sidi Hussein, foi um dos que formaram a aliança. Ele disse em entrevista coletiva na capital, Túnis, que apoia as decisões do presidente, Kais Saied, com reservas, para garantir que não haja volta à situação anterior.

A maioria dos partidos rejeitou as medidas excepcionais tomadas por Saied, chamando-as de “um golpe contra a constituição”. Aqueles que os apoiam acreditam que o presidente está tomando o único caminho para corrigir o curso da revolução à luz da evolução política, econômica e das crises de saúde.

Fathali expressou preocupação com a opressão dos manifestantes, bem como com os ataques à liberdade de expressão e aos meios de comunicação. Manifestantes foram visados ​​após tomarem as ruas de Túnis em uma manifestação lembrando o assassinato do líder esquerdista Chokri Belaid em 2013. De acordo com a mídia local, as forças de segurança usaram força excessiva para dispersar os manifestantes. As autoridades não emitiram qualquer declaração formal sobre essa alegação.

LEIA: Apoiadoras do Partido Destourian Livre exigem fechamento de filial da IUMS, na Tunísia

Apesar de apoiar as medidas do presidente, Fathali alertou que assumir os poderes legislativo, executivo e judiciário do país “ameaça a democracia” na Tunísia. Ele pediu a Saied “para formar um governo de salvação nacional, realizar eleições legislativas antecipadas e estabelecer um novo parlamento, a fim de retomar o funcionamento das instituições do Estado de acordo com a constituição de 2014”.

O ativista acredita que todos os partidos que participaram de governos desde a revolução de 2011 e a queda do ex-presidente Zine El Abidine Ben Ali contribuíram para a grande decepção do povo e devem compartilhar a responsabilidade pelo atual impasse econômico, social e político.

“Esses partidos deveriam renunciar e dar oportunidade a novos partidos de jovens de mudar o cenário político”, disse ele. “A Aliança Juvenil pela Democracia desenvolverá e apresentará essas propostas ao presidente, Saied, para considerar as demandas da juventude tunisiana marginalizada.”

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments