Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os palestinos têm novas narrativas de unidade e resistências

Presidente palestino Mahmoud Abbas em Ramallah, Cisjordânia em 12 de maio de 2021 [Issam Rimawi / Agência Anadolu]

Em termos de construção de estado e negociações diplomáticas, a Cisjordânia ocupada foi vista de modo  totalmente diferente de Gaza. Com a comunidade internacional canalizando assistência financeira para a Autoridade Palestina, o conceito de uma Palestina fragmentada foi devidamente aprimorado. Para quem não sabe, a AP representava pragmatismo e progresso, enquanto Gaza era sinônimo de Hamas e subdesenvolvimento.

E ainda, o povo palestino tem demonstrado o contrário, com novas narrativas de unidade e resistência. Aproveitando uma longa trajetória de resistência unificada contra a violência colonial, eles têm protestado regularmente contra a violência israelense e da AP, após o cancelamento de todas as eleições pelo líder da AP Mahmoud Abbas, os despejos iminentes dos residentes de Sheikh Jarrah na Jerusalém ocupada, o mais recente bombardeio israelense de Gaza, e o assassinato extrajudicial do ativista palestino Nizar Banat.

A AP manteve sua farsa por muito tempo. Explorou a resistência do povo palestino durante o mandato de Trump como presidente dos Estados Unidos, quando a AP precisava capitalizar a resiliência do povo para reprimir qualquer descontentamento. Agora, o povo palestino está estabelecendo uma nova tendência política em termos de resistência, enquanto a AP tropeça, tentando retomar o controle de uma população que não quer ser algemada por Israel e seus colaboradores em Ramallah.

LEIA: Gantz reuniu-se com Abbas por ‘interesses pessoais’, alega assessor de Bennett

Os campos de refugiados palestinos estão se aproximando da narrativa de resistência predominante. Como a Al Jazeera informou recentemente, os campos de refugiados de Jenin e Balata estão se tornando proibidos para as forças de segurança da Autoridade Palestina. Israel e a AP chegaram a compreender que a posição política enfraquecida de Abbas contribuiu para o surgimento de combatentes da resistência filiados a várias facções políticas palestinas. Notavelmente, a Al Jazeera relatou que a AP “não está enfrentando resistência apenas de pistoleiros associados a movimentos de oposição, mas também de grupos afiliados à Fatah, o partido que domina a AP”.

Quando os protestos eclodiram na Cisjordânia após o assassinato de Banat, a AP organizou seu próprio comício em apoio a Abbas. Esse “apoio” é ilusório e delirante. As exibições de resistência palestina atestam isso. A coordenação de segurança, descrita infamemente como “sagrada” por Abbas, não é mais apenas uma colaboração temida, mas parte da estrutura colonial contra a qual o povo palestino está se rebelando.

As definições anteriores de Gaza e da Cisjordânia ocupada não são mais verdadeiras. O povo da Palestina deu início a um repensar do que era visto como fragmentação palestina com base nas políticas que governam os diferentes territórios. Em particular, a semelhança entre Gaza e os campos de refugiados palestinos na Cisjordânia deve ser enfatizada. Embora Gaza tenha por muito tempo simbolizado a resistência palestina, os campos de refugiados também podem inspirar movimentos semelhantes na Cisjordânia ocupada, que até agora nem a AP nem Israel tiveram que lutar.

A AP não está mais no controle da narrativa palestina. Os palestinos estão agora forçando a AP e Israel a um novo cálculo, que até agora está sendo contido por meio de apaziguamento. A decisão de Abbas de cancelar as eleições, bem como as consequências da violência da AP contra civis palestinos, escreveram um roteiro alternativo e entregaram o poder ao povo. É aqui que ele pertence, ao contrário do que Abbas esperava ser o resultado de suas medidas autoritárias.

LEIA: Família de ativista palestino busca justiça internacional por seu assassinato

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments