Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Oposição síria deixa Daraa sob trégua com Rússia e regime

Veículos militares da coalizão russo-síria no distrito de Daraa, sul da Síria, 24 de agosto de 2021 [Sam Hariri/AFP via Getty Images]

Forças da oposição síria e seus familiares deixaram a província de Daraa, no sul da Síria, sob trégua mediada pela Rússia, após dois meses de cerco do regime de Bashar al-Assad.

A área vivenciou intenso combate nos últimos três anos, após um cessar-fogo prévio promovido por Moscou. Tropas do regime e milícias ligadas a Teerã bombardearam partes da província a fim de trazê-la a seu controle absoluto.

O acordo de 2018 concedeu salvo-conduto ao noroeste do país e instituiu um processo de reconciliação a opositores que ficaram, em troca de sua rendição. Porém, foi violado diversas vezes por Assad, incluindo ao menos 98 mortes sob tortura de ex-combatentes.

Tensões voltaram a escalar em maio, quando residentes de Daraa recusaram-se a votar nas eleições presidenciais, que reconduziram Assad a seu quarto mandato, ao denunciá-las como fraude. Em represália, o regime deu início a um severo cerco militar.

Após o fracasso de uma série de negociações e armistícios, a Rússia — principal aliada de Assad — conseguiu nesta semana alcançar um novo acordo com a oposição de Daraa, semelhante ao compromisso ratificado em 2018.

LEIA: Regime de Assad mata quatro crianças em Idlib

Os termos não foram ainda plenamente divulgados, mas a trégua prevê mais outra vez que combatentes rebeldes possam viajar a territórios da oposição ao norte, à medida que o cerco é revogado provisoriamente. O regime deve então assumir controle da província.

Segundo relatos, cerca de cem opositores já deixaram a região em ônibus fretados, na terça-feira (24); outros 50 combatentes e suas famílias partiram ontem. Rebeldes remanescentes devem entregar suas armas e submeter-se ao regime.

O recente cerco e o subsequente combate, que forçou dezenas de milhares de civis a deixar Daraa novamente, no entanto, revelou tensões latentes entre Damasco e Moscou.

A diplomacia russa tentou agir como mediadora e exortou Assad a reconciliar-se com a oposição. Entretanto, o regime sírio e as milícias aliadas violaram tais esforços, obstinados em recapturar todos os territórios ainda sob controle da oposição.

Categorias
Europa & RússiaNotíciaOriente MédioRússiaSíria
Show Comments
Show Comments