Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel estende a proibição de viagens para ativista palestina

Hanadi Al-Halawani, uma professora e ativista nas escolas da mesquita de Al-Aqsa [AbdelKarim Alkahlout/Twitter]

Um tribunal israelense manteve a proibição de viagem imposta à ativista palestina Hanadi Al-Halawani, que foi proibida de deixar a Cisjordânia ocupada para viajar ao exterior até 19 de janeiro do próximo ano. A proibição renovada foi imposta a ela ontem, após ter sido convocada para interrogatório pelas Forças de Defesa de Israel em Jerusalém ocupada.

A proibição de viagem imposta à mulher de 40 anos foi usada como desculpa para negar seu acesso à saúde e à previdência social. Além disso, ela é regularmente sujeita a assédio físico e verbal durante os protestos contra as batidas ilegais de colonos contra palestinos.

“Já fui presa pelos israelenses 63 vezes e eles invadiram minha casa muitas vezes. Eles fazem isso quando meus filhos tentam estudar para os exames e os israelenses confiscam seus livros”, disse ela ao MEMO no início deste ano. “Houve momentos em que eles me prenderam por duas semanas consecutivas e aterrorizaram meus filhos e meu marido para perturbar os vizinhos todos os dias e incitá-los a me despejar de minha casa por ser ‘a causa’ dos tumultos”.

Com dezenas de milhares de seguidores nas mídias sociais, onde ela publica regularmente sobre a cidade santa e a mesquita Al-Aqsa, ela recebe muitos convites para dar palestras no exterior. A proibição a impede de fazer isso.

LEIA: Incursões israelenses à mesquita de Al-Aqsa aumentam 60%

“Estou impedida de viajar para participar de conferências fora dos territórios palestinos ocupados e pelo meu trabalho”, explicou. “Também fui impedida de sair de minha própria casa e atravessar para a Cisjordânia ocupada porque participo de atividades em universidades palestinas que também trabalham para expor os crimes israelenses”.

Al-Halawani é uma das várias mulheres palestinas que têm sido repetidamente impedidas pelas autoridades de ocupação israelenses de entrar no complexo da Mesquita Al-Aqsa por causa de seu ativismo político. Quando sua família entra no Santuário Nobre, ela espera do lado de fora.

A Mesquita Al-Aqsa é o terceiro local mais sagrado do Islã depois de Meca e Madinah na Arábia Saudita. Os colonos judeus, entre outros, se referem ao santuário como o “Monte do Templo” e o reivindicam para si.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments