Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Segundo Partido dos Trabalhadores da Tunísia, Saied continua seu golpe antes de estabelecer um regime autoritário

As forças de segurança tomam medidas de segurança em torno do prédio do parlamento enquanto apoiadores e oponentes do golpe se reúnem depois que o presidente tunisiano, Kais Saied, anunciou que assumiu totalmente o poder executivo, além de suspender o parlamento em Túnis, Tunísia, em 26 de julho de 2021 [Nacer Talel/Agência Anadolu]
As forças de segurança tomam medidas de segurança em torno do prédio do parlamento enquanto apoiadores e oponentes do golpe se reúnem depois que o presidente tunisiano, Kais Saied, anunciou que assumiu totalmente o poder executivo, além de suspender o parlamento em Túnis, Tunísia, em 26 de julho de 2021 [Nacer Talel/Agência Anadolu]

O Partido dos Trabalhadores da Tunísia disse ontem que a decisão do presidente de estender as medidas excepcionais que tomou até mais longe é “um dos episódios da trajetória do golpe que o [presidente] Kais Saied iniciou em 25 de julho para neutralizar seus oponentes no sistema governante e tomar sobre todos os poderes”.

O partido confirmou em comunicado que Saied não consultou a Instância Provisória de Revisão da Constitucionalidade de Projetos de Lei quando prorrogou as medidas excepcionais.

A declaração acrescentou que essa etapa incorpora uma “continuação do monopólio de todas as autoridades legislativas, executivas e judiciais sem estarem sujeitas a qualquer mecanismo de supervisão e uma conclusão de seu golpe [do presidente] contra a constituição”, acrescentando que é “em preparação para a implementação de seu projeto populista baseado no governo individual e na tirania”.

O Partido dos Trabalhadores sublinhou que “o presidente da República se absteve de tomar quaisquer medidas sérias e profundas para combater a corrupção financeira, política e administrativa”.

Em vez de lidar com as preocupações do povo na Tunísia, acrescenta o comunicado, Saied “tem sido rápido em tranquilizar as forças regionais e internacionais”, considerando que “elas têm interferido abertamente nos assuntos da Tunísia e discutido seu destino na ausência total do povo e do país forças vivas”.

Com isso, Saied continua “a atuar como governante individual absoluto, que destitui e nomeia, principalmente nos órgãos de segurança e administrativos, com o objetivo de ampliar sua influência, além de interferir no judiciário, apresentando denúncias publicamente, envolvendo gradativamente o estabelecimento militar na vida política, nomeando novos legalistas, que serviram ao antigo regime, para administrar várias instituições públicas de mídia, e sujeitando milhares de cidadãos a proibições de viagens ou imponentes invasões noturnas que nos lembram da era de Ben Ali”.

LEIA: Tunísia recebe avião argelino carregada de suprimentos médicos

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Show Comments