Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

E as vítimas invisíveis do caso Hancock?

O ex-secretário de Estado britânico para Saúde e Assistência Social Matt Hancock deixa a 10 Downing Street em Londres, Reino Unido, em 17 de março de 2021 [David Cliff/Agência Anadolu]

Whitehall ainda está refletindo sobre o caso Hancock. Não foi a primeira e certamente não será a última vez que um político será pego publicamente. A história está repleta de exemplos de casos extraconjugais no centro do establishment político britânico, desde o mais alto cargo no país até o mais baixo.

Até o momento, a mídia tem dedicado a maior parte de sua cobertura à “hipocrisia” do ex-secretário de saúde e ao descarado desrespeito às regras que ele mesmo escreveu. Enquanto alguns têm debatido a existência e a propriedade de câmeras CCTV em gabinetes ministeriais, outros se concentraram exclusivamente nas consequências políticas do caso.

Inevitavelmente, uma das primeiras perguntas ao sucessor de Hancock, Sajid Javed, foi questionado se ele havia verificado o escritório para ver se as câmeras ainda estavam no lugar. Sua resposta foi um confiante não.

O Departamento de Saúde, por sua vez, abriu uma revisão urgente da segurança do prédio. Uma parte central da investigação será determinar quem deu a filmagem do CCTV ao jornal The Sun. A especulação é abundante a esse respeito. Fontes internas de Whitehall descreveram o assunto como uma “violação maciça de segurança”.

Ainda focando nesse aspecto, a vice-líder do Partido Trabalhista, Angela Raynor, pediu uma “investigação em larga escala” e alertou para graves riscos de segurança se os ministros estiverem usando suas contas pessoais para discutirem informações confidenciais. Isso foi alegado no caso Hancock.

E se estados hostis, Rússia ou China, obtivessem informações confidenciais invadindo e-mails pessoais de ministros? É uma questão válida e importante.

LEIA: Reino Unido registra “Territórios Palestinos Ocupados” em vez de Jerusalém em passaportes

Em meio a tudo isso, porém, houve pouco reconhecimento das verdadeiras vítimas dessa tragédia, notadamente os filhos de famílias agora desfeitas e os cônjuges que deixaram para juntar os cacos.

A cobertura da mídia contrasta marcadamente com a frequente preocupação hipócrita pelos direitos das mulheres muçulmanas na Grã-Bretanha, Arábia Saudita e no Golfo, por exemplo. O retrato do primeiro-ministro Boris Johnson das mulheres muçulmanas como sendo vítimas infelizes de homens opressores está bem documentado. Os muçulmanos são frequentemente criticados por adotar uma abordagem de tolerância zero ao adultério, mas as opiniões das vítimas de casos adúlteros nunca são solicitadas.

A classe política e a mídia não deveriam agora pensar no impacto do caso Hancock nas famílias cuja humanidade e dignidade foram cruelmente desconsideradas e, como resultado, degradadas? É certamente uma triste acusação para a sociedade moderna que o impacto político do caso Hancock tenha prioridade sobre as consequências adúlteras sobre as famílias em questão, na medida em que estas últimas são invisíveis.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoÁsia & AméricasChinaComentário e análiseEmirados Árabes UnidosEuropa & RússiaGCCOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioReino UnidoRússia
Show Comments
Show Comments