Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Outro escândalo sobre livro didático expõe a indignação seletiva da União Europeia

Bandeiras da UE a meio mastro fora da sede da Comissão Europeia em Bruxelas, Bélgica em 4 de dezembro de 2020 [Dursun Agência Aydemir/ Anadolu]
Bandeiras da UE a meio mastro fora da sede da Comissão Europeia em Bruxelas, Bélgica em 4 de dezembro de 2020 [Dursun Agência Aydemir/ Anadolu]

Outro escândalo sobre livros didáticos surge com potencial de expor dois pesos e duas medidas e indignação seletiva dentro da UE, o maior parceiro comercial de Israel. Um alto funcionário da UE apoiou uma ação mais dura contra a Autoridade Palestina (AP) na segunda-feira, incluindo o condicionamento de ajuda e assistência financeira após a divulgação de um relatório que afirma ter encontrado evidências de incitamento e antissemitismo em livros palestinos.

O último escândalo veio quando grupos de extrema direita israelenses marcharam pelas ruas árabes pedindo genocídio e exigindo “morte aos árabes”. Também segue relatórios históricos da Human Rights Watch e B’Tselem, que concluíram que Israel está praticando o apartheid e impôs um “regime de supremacia judaica do rio Jordão ao Mediterrâneo”. Nenhuma dessas descobertas recentes e a exibição aberta de ódio e incitação contra os palestinos mereceram uma reação da UE.

LEIA: Ministro alemão pede que União Europeia atualize acordo de imigrantes com a Turquia

Por outro lado. detalhes de uma reportagem sobre livros palestinos lançados pelo jornal alemão Bild gerou uma série de artigos com conotações racistas, sugerindo que as crianças palestinas estão sendo ensinadas a odiar desde cedo. Também gerou apelos para retirar o dinheiro dos palestinos. “A condicionalidade da nossa assistência financeira ao setor educacional precisa ser devidamente considerada”, disse o comissário europeu para a vizinhança e alargamento Oliver Varhelyi no Twitter, após a publicação do relatório.

Muitos dos grupos anti-palestinos usuais aderiram à onda. O Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos exortou o Governo do Reino Unido a agir e “certificar-se de que o dinheiro do contribuinte britânico não vai mais para o ensino do ódio”.

Martin Konecny, que está concorrendo para o Projeto Europeu do Oriente Médio (EuMEP), uma ONG independente em Bruxelas especializada em políticas europeias e internacionais para o conflito israelense-palestino, desmascarou as alegações feitas na mídia anti-palestina.

Compartilhando as descobertas do relatório no Twitter, Konecny ​​disse que um estudo financiado pela UE “acaba de concluir que os livros palestinos aderem aos padrões da UNESCO e não encontrou virtualmente nenhum caso de antissemitismo”. Isso não é mencionado em nenhuma série de artigos que parecem ter deturpado o relatório. Konecny ​​insiste que o relatório sobre os livros didáticos não alega “incitamento” e que havia encontrado apenas um capítulo em um livro (em mais de 150 livros revisados) com motivos antissemíticos – que desde então foi alterado.

O tópico de Konecny ​​no Twitter também desmentiu relatos de que as crianças palestinas estavam sendo ensinadas a odiar. “O relatório encontrou várias deficiências e preconceitos nos livros didáticos, mas não acho que tenha encontrado um único caso em todo o currículo da AP de desinformação flagrante”, disse Konecny ​​apontando para um artigo no Jerusalem Post que ele afirma ter deturpado o relatório.

Há alguns anos, a professora israelense Nurit Peled-Elhanan realizou um importante estudo acadêmico sobre a “Palestina nos livros escolares israelenses”. Os detalhes de sua entrevista foram publicados no MEMO. O dissidente estudioso israelense descobriu que, quando os livros israelenses mencionam os palestinos, os livros escolares oficiais ensinam um “discurso racista”, que literalmente varre a Palestina do mapa. Os mapas dos livros escolares mostram apenas “a Terra de Israel”, do rio ao mar.

Das raras vezes em que palestinos são mencionados, é de uma forma esmagadoramente negativa e estereotipada: “todos [os livros] representam [os palestinos] em ícones racistas ou imagens classificatórias degradantes, como terroristas, refugiados e fazendeiros primitivos – os três ‘problemas’ eles constituem para Israel. ”

Este é o escândalo mais recente sobre a questão de Israel e da Palestina. No início deste mês, um livro didático considerado “propaganda” para Israel foi retirado por uma banca examinadora. A BBC também gerou indignação por remover conteúdo de seus vídeos educacionais sobre a Palestina e as origens da ocupação israelense em curso e da limpeza étnica após pressão do lobby pró-Israel.

LEIA: Autoridades da União Europeia encontram terreno comum com Naftali Bennett

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUE
Show Comments
Show Comments