Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Colocando batom em um porco’: por que Washington está bajulando o novo governo de Israel?

https://www.monitordooriente.com/20210620-presidente-de-israel-se-reunira-com-biden-na-casa-branca/

Quando o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama usou um velho clichê para denegrir seu oponente político, o falecido senador John McCain, ele desencadeou uma controvérsia política que durou vários dias. “Você pode colocar batom em um porco, mas ainda é um porco”, disse Obama em um evento de campanha em 2008. A máxima indica que mudanças superficiais não têm influência sobre os resultados e que modificar nossa fachada não altera quem realmente somos.

Os políticos americanos são autoridades no assunto. Eles são especialistas em mudanças artificiais, retóricas e, em última análise, superficiais. E agora, mais uma vez, os maquiadores políticos de Washington estão começando a trabalhar na face pública de Israel.

Desde a dramática expulsão de seu antigo mentor, Benjamin Netanyahu, o novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, está sendo apresentado como uma alternativa ao estilo político de direita, chauvinista e turbulento de Netanyahu. No entanto, será necessário mais do que um pouco de batom para tornar isso crível.

LEIA: Líderes globais exortam Biden a defender o povo palestino

Muito pode ser dito sobre Bennett e seu partido de ultranacionalistas e extremistas de direita, Yamina, principalmente que se trata de um partido político decididamente racista. Seus escassos sete assentos no Knesset (parlamento) israelense foram conquistados por meio de um apelo constante aos constituintes mais violentos e racistas de Israel, cujo canto frequentemente repetido “Morte aos árabes” é uma lembrança diária de um discurso político sinistro.

Bennett é frequentemente citado por esta declaração infame de 2013: “Eu matei muitos árabes na minha vida e não há problema com isso”. No entanto, há mais na política do homem do que uma declaração tão abominável. Uma vez que os líderes israelenses não percebem qualquer forma de resistência palestina como legítima e, aos seus olhos, os palestinos são terroristas ou terroristas em potencial, considere a seguinte “solução” oferecida por Bennett para lidar com o problema do “terrorismo palestino”.

Como ministro da Educação de Israel em 2015, Bennett propôs a construção de um muro de “dissuasão”; um que “exige que o incitamento seja encerrado e que terroristas sejam mortos a tiros antes que tenham a chance de ferir pessoas inocentes. Isso significa que um terrorista que é baleado morrerá e nunca mais caminhará. Isso significa que Israel permanece no controle de sua pátria para sempre, indiferente ao terrorismo”.

Então, por que o governo Biden quer que acreditemos que Bennett é diferente? Imediatamente após a posse do primeiro-ministro, o presidente dos Estados Unidos foi o primeiro líder mundial a telefonar e parabenizar Bennett por seu novo cargo. Esse ato carregava um significado simbólico mais profundo quando comparado com o fato de que Biden levou três longas semanas para ligar para Netanyahu após sua própria posse como presidente em janeiro.

Naftali Bennett já está dando continuidade ao legado de Netanyahu [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Um assessor próximo do novo primeiro-ministro de Israel explicou a natureza da conversa telefônica amigável entre Biden e Bennett em uma entrevista para o site Axios. “A Casa Branca quer ter consultas e engajamento regulares e próximos com Bennett e sua equipe com base em uma troca de pontos de vista sincera, respeito pelas diferenças, desejo de trabalhar em prol da estabilidade e segurança”, disse a fonte israelense.

Além da ênfase na franqueza e no “respeito” com referência ao futuro relacionamento EUA-Israel, também tem havido uma ênfase igual e constante na necessidade de privacidade ao lidar com as diferenças entre os dois países. “Ao contrário de seu antecessor”, noticiou o Times of Israel com referência a Netanyahu, o governo Bennett “expressaria suas críticas [a Washington] em particular”. Durante meses, os Estados Unidos imploraram a Netanyahu para moderar seus ataques a Washington, mas sem sucesso.

Agora que Bennett está no comando, ele está claramente pronto para jogar junto. E por que não deveria? Ele está ansioso para se apresentar como a antítese de Netanyahu. Ao fazer tal “concessão”, ele certamente estaria esperando que Washington retribuísse. Para Bennett, é uma situação em que todos ganham.

Ele entende que a política dos EUA em relação a Israel não é determinada pela atitude dos líderes israelenses. Por exemplo, em comentários feitos no mês passado, Biden descartou qualquer sugestão de que os EUA responsabilizarão Israel durante seu mandato no poder. Não há “nenhuma mudança em meu compromisso com a segurança de Israel. Ponto final. Nenhuma mudança, de forma alguma”. Se essa sólida promessa foi feita quando o turbulento Netanyahu ainda estava no poder, nenhuma mudança deveria ser esperada agora que o supostamente agradável Bennett é o primeiro-ministro de Israel.

Os políticos americanos estão bajulando Bennett e seu principal parceiro de coalizão e futuro primeiro-ministro, Yair Lapid. Eles estão ansiosos para virar uma nova página e avançar nos anos tumultuados de Netanyahu. Bennett deve visitar os Estados Unidos em julho, enquanto Lapid já foi convidado a visitar Washington pelo secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken. Enquanto isso, uma grande delegação militar israelense chefiada pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, Aviv Kochavi, já deve estar nos Estados Unidos para discutir vários tópicos, incluindo o Irã e o Hezbollah, e para “negociar” ainda mais presentes americanos para Israel na forma de equipamento militar.

Os EUA estão ansiosos para reformular sua relação com Israel, não porque Israel mudou, mas porque Washington sofreu repetidas humilhações nas mãos do deposto Netanyahu. Com ele no comando, os Estados Unidos se viram frequentemente acusados ​​de não fazer o suficiente por Israel. Mesmo o pacote de ajuda militar anual de Obama de US$ 3,8 bilhões não o poupou de repetidos ataques verbais israelenses. Biden está disposto a fazer o que for preciso para evitar esse cenário sórdido.

LEIA: Presidente de Israel se reunirá com Biden na Casa Branca

A doutrina de Joe Biden sobre Israel e Palestina é, portanto, muito simples. Ele não quer se comprometer de fato com o relançamento do processo de paz, por exemplo, nem quer ser colocado em uma posição em que seja forçado a fazer exigências, muito menos colocar “pressão” sobre Israel. Visto que Biden tem poucas expectativas em relação a Israel, Bennett parece disposto a desempenhar o papel de um político acomodado e sensato. Ele seria tolo se não o fizesse, pois, de acordo com sua própria “visão” política, ele apenas deseja administrar o conflito e prolongar a ocupação enquanto, como seu antecessor, continua a promover sua própria versão da enganosa noção de “paz econômica”.

Enquanto os americanos e israelenses estão ocupados se engajando no ritual sempre familiar de “passar batom em um porco”, os palestinos permanecem irrelevantes. Suas aspirações políticas continuam a ser desconsideradas e sua liberdade adiada, enquanto Biden e Bennett tentam encobrir a realidade brutal do estado de ocupação colonial.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments