Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Pare de comparar Israel ao Apartheid na África do Sul; isto é pior

Apoiadores pró-palestina seguram cartazes com os dizeres 'Boicote o Apartheid de Israel' durante um protesto para condenar os ataques aéreos israelenses em Gaza, em Durban, em 18 de maio de 2021 [Rajesh Jantilal/AFP via Getty Images]
Apoiadores pró-palestina seguram cartazes com os dizeres 'Boicote o Apartheid de Israel' durante um protesto para condenar os ataques aéreos israelenses em Gaza, em Durban, em 18 de maio de 2021 [Rajesh Jantilal/AFP via Getty Images]

É comum hoje em dia comparar o racismo institucional em Israel e sua ocupação da Palestina ao Apartheid na África do Sul. Até certo ponto, é uma comparação razoável. Até certo ponto. Apesar de todos os seus horrores e brutalidade, o regime do apartheid na África do Sul nunca usou aviões de combate e artilharia para bombardear os oprimidos que viviam nas cidades. Israel fez e continua fazendo isso.

Na verdade, isso agora se tornou quase rotineiro e, portanto, “aceitável” para a comunidade internacional, permitindo que Israel aja impunemente. Os efeitos são terríveis.

De acordo com o ministro da Habitação e Obras Públicas de Gaza, Naji Sarhan, 1.800 unidades habitacionais foram completamente destruídas por Israel durante seu último ataque contra civis no território bloqueado, incluindo cinco blocos residenciais no meio da Cidade de Gaza, um povoado densamente povoado nessa área. Quase 17.000 outras casas foram parcialmente danificadas e mais de 120.000 palestinos foram, assim, deslocados à força de suas casas.

A infraestrutura civil foi alvejada deliberadamente por Israel. Pouco mais de setenta edifícios governamentais foram destruídos, incluindo a sede da polícia e outras instalações de serviço público. Pelo menos 66 escolas foram danificadas pelo bombardeio israelense; três mesquitas foram completamente destruídas; 40 outras mesquitas e uma igreja foram danificadas.

LEIA: Israel-Palestina: Uma nova geração diz ‘basta’

Os israelenses deram pouco ou nenhum aviso de que as greves estavam para acontecer, deixando os doentes e idosos sem tempo para evacuar suas casas. O New York Times relatou que um ataque aéreo israelense a um prédio residencial em Deir Al-Balah na noite de quarta-feira passada matou um casal e sua filha de 2 anos, e feriu muitos outros. A mulher assassinada estava grávida e seu marido era inválido. Como eles eram uma ameaça ao estado de Israel com armas nucleares?

Essa destruição de vidas humanas e propriedades aconteceu em apenas 11 dias de intenso bombardeio israelense de civis na Faixa de Gaza. Terminou – por enquanto – com um cessar-fogo que entrou em vigor às 2h da última sexta-feira.

O número de mortos em ataques israelenses à Faixa de Gaza continua aumentando [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A maioria dos ativistas e comentaristas palestinos procuram evitar dizer ou fazer qualquer coisa que possa levar a acusações de antissemitismo. O racismo de todos os tipos é abominável, por isso eles têm razão em fazê-lo. No entanto, encontrar a terminologia correta para descrever e definir o conflito Palestina-Israel costuma ser difícil. Alguns dos resultados dessa busca por um léxico adequado são tão ridículos, porém, que podem acabar comprometendo a luta palestina pelo fim da ocupação israelense.

Eu testemunhei um debate recentemente sobre se era apropriado se referir ao governo de Israel como um “regime”. Foi surpreendente quantas pessoas na esquerda política se opuseram ao uso do termo. Um dicionário define “regime” como “um governo, especialmente autoritário”. Isso, eu teria pensado, é inteiramente aplicável a Israel, onde líderes políticos e militares têm como alvo mulheres, crianças, deficientes e idosos com suas bombas e mísseis. Nem uma vez; não duas vezes; mas repetidamente ao longo de 11 dias e noites no que foi a última das muitas ocasiões. Israel se disfarça como um estado democrático com um regime governante do tipo mais brutal. Não só mostra desprezo aberto pelo direito internacional, mas também impõe uma ocupação militar e aterroriza os palestinos.

O estado combina fascismo, racismo, extremismo de extrema direita, apartheid e supremacia racial em seu modus operandi. Eu entendo completamente a razão por trás de descrever Israel como um estado de apartheid, eu realmente entendo; faz todo o sentido para a maioria das pessoas comparar o regime israelense ao pior que já existiu.

No entanto, tal comparação na verdade reduz a severidade da crueldade que Israel continua a infligir aos palestinos, o que é sem precedentes. Pessoas razoáveis ​​em todo o mundo, portanto, devem procurar uma alternativa, mas ainda assim uma descrição adequada. Isso pode ser importante se e quando o assunto for debatido no Conselho de Segurança da ONU, em que a existência de vetos exercidos por apoiadores de Israel sem perguntas em Washington, Paris e Londres significa que os argumentos e, portanto, as Resoluções do Conselho de Segurança, dependem mais de quem o apoia do que o que você pode provar. O conselho apoia Israel.

Dessa forma, pode haver divergências sobre se Israel é ou não um regime. A definição de apartheid não é apropriada para o estado de ocupação, e aqui está o motivo: o apartheid da África do Sul foi um regime brutal que discriminou seus cidadãos “não brancos”; na verdade, muitos receberam a “cidadania” de bantustões criados por Pretória para remover “não brancos” de sua própria população. Foi condenado internacionalmente e havia dezenas de resoluções críticas da ONU.

Vista aérea mostra a dilapidada estação ferroviária de Kliptown em Soweto, em 16 de março de 2021 [Michele Statari/AFP via Getty Images]

Nasci e fui criado em Soweto, sem dúvida uma das áreas da África do Sul mais afetadas pelo apartheid. Soweto era um laboratório do apartheid; ele sintetizou os piores excessos do regime do apartheid.

O que testemunhamos nas últimas semanas em Gaza, no entanto, nunca foi visto em Soweto, mesmo no auge do apartheid. Estive em Gaza, na Cisjordânia e em Israel, e passei um tempo em campos de refugiados palestinos no Oriente Médio, incluindo Sabra e Shatila no Líbano. Os abusos dos direitos humanos, condições de vida desumanas, postos de controle militares, estradas exclusivas para colonos e até mesmo locais de registro de automóveis diferentes tornando mais fácil atirar e assediar os palestinos nunca foram vistos no apartheid, na África do Sul. É importante ressaltar que nem Soweto nem qualquer outro município “negro” jamais foi bombardeado por terra, ar e mar como Gaza.

LEIA: Sheikh Jarrah é um microcosmo da questão Palestina

Além disso, apesar dos privilégios de que gozavam os sul-africanos brancos, um número considerável deles se levantou contra o apartheid. Muitos se recusaram a servir no exército do apartheid, optando por deixar o país e viver no exterior. Embora haja um pequeno número de israelenses dissidentes, a maioria apoia a ocupação e as ofensivas militares do estado contra o povo de Gaza e, portanto, são cúmplices das atrocidades e da opressão. De acordo com o Guardian, durante a ofensiva de Israel em 2014, o apoio entre os judeus israelenses foi avassalador ao longo de seus 24 dias, com pesquisas de opinião mostrando que 95 por cento dos entrevistados acreditavam que o ataque era justificado.

Por pior que fosse o regime do meu país, “apartheid” não é um termo forte o suficiente para descrever Israel. Devemos parar de comparar o estado desonesto ao Apartheid na África do Sul, porque é muito, muito pior. Precisamos encontrar outro rótulo e rapidamente.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments