Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presidente da Argélia elogia movimento de protesto Hirak e condena a normalização com Israel

Presidente argelino Abdelmadjid Tebboune Algiers, Argélia em 21 de janeiro de 2020 [RYAD KRAMDI/AFP/Getty Images]

O presidente argelino Abdelmadjid Tebboune disse à Al-Jazeera que o movimento de protesto Hirak salvou o Estado graças à sua natureza pacífica. Em sua primeira entrevista com a emissora, Tebboune também criticou os acordos de normalização entre os Estados árabes e Israel na ausência de paz e a restauração das terras palestinas.

O presidente ressaltou que o movimento de protesto “abençoado” bloqueou o caminho para um quarto mandato do ex-presidente Abdelaziz Bouteflika, e impediu que aqueles a quem ele chamou de “a quadrilha” mantivessem o controle sobre o Estado argelino.

Com relação à posição da Argélia sobre a Palestina e a normalização com Israel, Tebboune indicou que a posição de seu país permanece inalterada. Existe um acordo árabe sobre o princípio de terra pela paz, explicou ele, e a Argélia está comprometida com esta posição. “Entretanto, hoje não há paz nem terra, então por que qualquer Estado árabe deveria concordar em normalizar as relações [com Israel]”?

Voltando à Líbia, o presidente argelino disse que seu país se recusou a deixar Tripoli ser a primeira capital árabe e magrebina a ser ocupada pelo que ele chamou de “mercenários”. Ele acrescentou que a Argélia está pronta para agir de uma forma ou de outra para evitar a queda de Trípoli. Isso, insistiu ele, é uma linha vermelha, e o alarme é real, embora não pareça ter sido totalmente compreendido pelas partes envolvidas.

Em conclusão, ele explicou a posição da Argélia sobre a questão do Saara Ocidental. “Nossa posição sobre o Saara Ocidental é consistente e não mudou, e não aceitamos nenhum fato consumado, quaisquer que sejam as circunstâncias”. Tebboune confirmou que as recentes manobras do exército em seu país visavam garantir que as forças armadas argelinas estivessem prontas para qualquer emergência.

LEIA: Argélia nunca normalizará laços com Israel, diz presidente argelino

Categorias
ÁfricaArgéliaIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments