Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Emirados Árabes Unidos tomam medidas para recuperar sua imagem e conter a lavagem de dinheiro

Bandeira dos Emirados Árabes Unidos, 17 de novembro de 2018 [Município de Abu Dhabi]

Os Emirados Árabes Unidos deram mais um passo no sentido de abordar seu recorde abismal na proliferação de dinheiro sujo através de dois Memorandos de Entendimento (MoUs) separados com Bangladesh e Somália um ano depois que uma organização global de vigilância ameaçou colocá-lo ao lado de países como o Iêmen por ter “deficiências estratégicas”.

A Unidade de Inteligência Financeira dos Emirados Árabes Unidos (UAE FIU) assinou Memorandos de Entendimento com a Unidade de Inteligência Financeira de Bangladesh (BFIU) e o Centro de Relatórios Financeiros (FRC) da República Federal da Somália. O acordo permitirá o intercâmbio de informações financeiras e conhecimentos especializados, assim como a colaboração com as autoridades e partes interessadas relevantes para combater crimes financeiros.

O Memorando de Entendimento foi assinado no domingo por Ali Faisal Ba’Alawi, chefe da FIU dos Emirados Árabes Unidos, com Amina Ali, diretora da FRC da Somália, e Abu Hena Mohammad Razee Hassan, chefe da BFIU, representando suas respectivas jurisdições.

“Nosso compromisso nestes acordos com o Centro de Informação Financeira (FRC) da Somália e a Unidade de Inteligência Financeira de Bangladesh (BFIU) restabelece ainda mais nossos esforços para facilitar um intercâmbio robusto de conhecimento e experiência nas áreas de combate à lavagem de dinheiro e combate ao financiamento do terrorismo, juntamente com as principais unidades de inteligência internacional”, disse Ba’Alawi.

Os acordos estão alinhados com o objetivo global dos EAU de combater a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, sustentados por trocas de inteligência mutuamente benéficas com as contrapartes internacionais.

LEIA: Paquistão e Índia negam negociações nos Emirados

Há pouco mais de um ano, a Força-Tarefa Global de Ação Financeira (FATF) colocou os Emirados Árabes Unidos sob uma observação de um ano por não terem conseguido conter a lavagem de dinheiro. Abu Dhabi foi criticado pelo observador baseado em Paris por não fazer o suficiente e tinha sido instado a tomar medidas extras para evitar ser incluído em uma lista de observação internacional.

O GAFI advertiu Abu Dhabi que, se não demonstrasse melhorias durante o período de observação, seria classificado ao lado de estados como Síria, Iêmen e Paquistão, que o órgão de vigilância considera ter “deficiências estratégicas”.

Mais ou menos na mesma época, Dubai foi alvo de um relatório condenatório do Fundo Carnegie para a Paz Internacional por falhar em lidar com a proliferação da lavagem de dinheiro. O relatório de 130 páginas sobre “o papel de Dubai na facilitação da corrupção e dos fluxos financeiros ilícitos globais” descobriu que agentes corruptos e criminosos de todo o mundo, incluindo senhores da guerra afegãos, mafiosos russos, cleptocratas nigerianos, lavadores de dinheiro europeus, os promotores de sanções iranianas e contrabandistas de ouro da África Oriental, estavam operando através ou a partir dos ricos Emirados do Golfo, uma das sete províncias que compõem os Emirados Árabes Unidos.

Ba’Alawi disse estar confiante de que estes Memorandos de Entendimento permitirão uma maior colaboração entre as respectivas jurisdições dos três países sobre as melhores práticas na prevenção do crime financeiro, contribuindo em última instância para a estabilidade e segurança da paisagem econômica dos Emirados e fortalecendo as relações entre eles, Bangladesh e Somália.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasBangladeshEmirados Árabes UnidosNotíciaOriente MédioSomália
Show Comments
Show Comments