Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Trabalhadores da saúde criticam a ‘desumanização deliberada’ de Israel aos palestinos

Membros da imprensa palestina e profissionais de saúde se reúnem para uma celebração após o acordo de cessar-fogo “mútuo e simultâneo” entre Israel e o Hamas que entrou em vigor às 2h da manhã de sexta-feira do horário local, encerrando o conflito de 11 dias, em Khan Yunis, Gaza, em 21 de maio 2021 [Abed Zagout/Agência Anadolu]
Membros da imprensa palestina e profissionais de saúde se reúnem para uma celebração após o acordo de cessar-fogo “mútuo e simultâneo” entre Israel e o Hamas que entrou em vigor às 2h da manhã de sexta-feira do horário local, encerrando o conflito de 11 dias, em Khan Yunis, Gaza, em 21 de maio 2021 [Abed Zagout/Agência Anadolu]

Trabalhadores da saúde de todo o mundo assinaram uma carta condenando a desumanização deliberada de Israel e a expropriação do povo palestino.

“Nossos colegas foram mortos e armamento de alta precisão foi usado para visar instalações de saúde”, disseram eles.

A carta destacou que o Dr. Ayman Abu Al-Auf, chefe de medicina interna, e o Dr. Moein Ahmad Abu-Al Aloul, chefe de neurologia no principal hospital de Gaza, Al-Shifa, foram mortos no mesmo ataque a bomba.

“Como profissionais de saúde, somos solidários com o povo palestino enquanto eles são confrontados com a destruição de suas casas e a evaporação de suas esperanças”, continuaram.

“Al-Shifa é a única instalação capaz de atendimento de emergência de alto nível em Gaza, e cada uma de suas estradas de acesso foi bombardeada para que nenhuma ambulância pudesse alcançá-la. Pelo menos seis outros hospitais foram alvos.”

“Nada disso é novo, Gaza tem sido estrangulada por um bloqueio israelense desde 2006”, disseram eles, acrescentando: “Diante da atual onda de violência, não há para onde os habitantes de Gaza fugirem”.

A ocupação não só desumaniza a vítima, mas também brutaliza o ocupante. Vemos isso no trauma dos jovens recrutas do exército israelense, que foram prejudicados por uma política de racismo forçado que, por sua vez, está corroendo a sociedade israelense.

“Instamos nossos colegas a não se autocensurarem sobre essas questões, mas se manifestarem. Não podemos contar com a comunidade internacional para efetuar uma mudança. Devemos nos unir e defender isso,” disseram os 500 signatários da carta.

ASSISTA: Os primeiros minutos após o bombardeio israelense de Gaza

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments