Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que o Irã pode viver sem um acordo nuclear?

O governador do Irã junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Kazem Gharib Abadi (2º à esq.), deixa o Grand Hotel no dia das negociações nucleares em andamento entre o Irã e as principais potências mundiais na capital austríaca, Viena, em 7 de maio de 2021 [Aşkın Kıyağan/Agência Anadolu]
O governador do Irã junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Kazem Gharib Abadi (2º à esq.), deixa o Grand Hotel no dia das negociações nucleares em andamento entre o Irã e as principais potências mundiais na capital austríaca, Viena, em 7 de maio de 2021 [Aşkın Kıyağan/Agência Anadolu]

As negociações em andamento em Viena (Áustria) entre o Irã e o grupo P4+1 de países para reviver o acordo nuclear, também conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), reavivou as esperanças de um degelo mais amplo nas relações entre o Irã e o Estados Unidos.

A maior parte da comunidade internacional – exceto Israel, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Bahrein – dá as boas-vindas a esse desenvolvimento, especialmente após quatro anos turbulentos sob o governo anterior de Donald Trump.

Mas as expectativas de um renascimento do acordo nuclear não significam necessariamente que isso vai acontecer, pelo menos não de uma forma contínua.

Para começar, as posições do Irã e dos Estados Unidos sobre o acordo nuclear – e o que os dois lados esperam ganhar voltando ao cumprimento total do JCPOA – estão mais distantes do que é abertamente admitido.

Acima de tudo, o Irã está profundamente relutante em voltar a se comprometer com um acordo falho que exige severas restrições ao programa nuclear civil do país, mas que para bem antes de oferecer o alívio total das sanções.

Depois de resistir à campanha de “pressão máxima” do governo Trump, o Irã se sente justificado e desafiador. Combinado com a alavancagem aprimorada do país – na forma de centrífugas mais avançadas – esse estado de espírito indica que o Irã não está disposto a fazer concessões.

Do ponto de vista iraniano, embora um acordo nuclear duradouro possa ser desejável por razões econômicas, não é necessariamente indispensável. A República Islâmica pode continuar a prosperar no mundo sem o JCPOA.

Uma história de restrições

O programa nuclear civil do Irã foi submetido a formas extremas de controles externos – principalmente pela Agência Internacional de Energia Atômica – por quase 20 anos.

Começando com a assinatura do Irã do Protocolo Adicional ao Tratado de Não Proliferação no final de 2003, a indústria nuclear da República Islâmica foi submetida a um escrutínio mais intensivo do que o programa de qualquer outro país.

A ironia, é claro, é que a única entidade que se entrega a espalhar o medo infundado sobre a aquisição perenemente iminente de armas nucleares pelo Irã nunca assinou o TNP nem sua indústria nuclear jamais foi submetida a uma única inspeção pela AIEA.

Isso é ainda mais notável quando sabemos que o regime israelense tem cerca de 90 ogivas nucleares, com material físsil para até 200.

O Irã assinou o JCPOA em julho de 2015 de boa fé e não como foi amplamente especulado na época, apenas por causa do impacto adverso das sanções.

O Irã concordou em suspender partes essenciais de seu programa nuclear, principalmente limitando o enriquecimento de urânio a apenas 3,7% de pureza, principalmente como parte do desejo de colocar suas relações com as potências ocidentais, principalmente com os Estados Unidos, em bases mais estáveis.

Essa estabilidade foi destruída, é claro, quando Donald Trump retirou-se unilateralmente do acordo em maio de 2018, subsequentemente não apenas reimpondo sanções relacionadas com o nuclear, como também uma série de sanções adicionais.

Mas a verdade é que mesmo o governo Obama não cumpriu totalmente suas obrigações sob o JCPOA, pois ele apenas facilitou o alívio parcial das sanções.

A retirada unilateral de Trump do JCPOA foi uma experiência amarga para o Irã e que a liderança do país provavelmente não esquecerá tão rapidamente.

O status legal do JCPOA como um acordo, em oposição a um tratado, significa que qualquer futuro presidente dos EUA pode retirar-se unilateralmente do acordo com custos pessoais e nacionais mínimos, conforme demonstrado pelo comportamento de Trump.

Além disso, como um acadêmico americano argumentou, mesmo que o JCPOA fosse qualificado como um tratado, isso ainda não impediria um presidente dos EUA de rasgá-lo se ele acreditasse – como Trump fez – que o acordo é inconsistente com os interesses nacionais dos EUA.

O ambiente regional

Além das falhas inerentes do JCPOA, juntamente com a dificuldade em obter alívio das sanções verificadas, os líderes iranianos têm outros incentivos para manter sua posição em Viena e em qualquer configuração de negociação subsequente.

O papel reforçado do Irã na região é mais um indicador do fracasso da política de “pressão máxima” de Trump, na medida em que a administração anterior dos EUA identificou a emasculação regional do Irã como um critério-chave para entrar em novas negociações.

Mas o Irã demonstrou capacidade de, simultaneamente, fortalecer seus aliados regionais locais, travar uma guerra marítima semiclandestina com Israel e alcançar – embora provisoriamente – a rival regional Arábia Saudita.

De forma mais ampla, enquanto os EUA continuam a manter uma forte presença na região, a grande trajetória estratégica aponta para uma retirada gradual dos EUA da região.

A retirada da América do Oriente Médio pode não ser tão precipitada quanto sua retirada do Afeganistão, mas é uma certeza por uma variedade de razões, não menos pelo muito alardeado, se não serialmente atrasado, pivô em direção à região da Ásia-Pacífico.

Desnecessário dizer que a retirada dos Estados Unidos da região é um grande ganho para o Irã e, potencialmente, para os estados árabes do Golfo Pérsico também, desde que uma reaproximação entre o Irã e a Arábia Saudita ocorra.

LEIA: Iraque reforça presença de segurança no consulado do Irã em Karbala

Em termos do programa nuclear do Irã, uma pegada mais leve dos EUA na região se traduz em menor influência americana, o que, por sua vez, significa que a capacidade de Washington de pressionar diretamente Teerã será reduzida.

Vista de uma perspectiva mais positiva, a retirada dos Estados Unidos da região cria maiores incentivos para que o Irã desenvolva seu programa nuclear civil em toda a sua extensão, não apenas para obter o máximo benefício da energia nuclear e derivados mais amplos.

Resolvendo a questão nuclear

Isso nos leva ao cerne da questão. A disputa centrada no programa nuclear do Irã tornou-se desgastante, conforme demonstrado por quase duas décadas de negociações, acordos e inspeções.

O programa também atraiu operações de sabotagem cada vez mais audaciosas entre os Estados Unidos e Israel, começando com o primeiro grande ataque cibernético do mundo denominado Stuxnet, um esforço colaborativo das agências de inteligência dos Estados Unidos e de Israel, com o codinome Operação Jogos Olímpicos.

Os ataques cibernéticos mais sofisticados do mundo contra as instalações de enriquecimento de urânio do Irã ocorreram simultaneamente com ataques físicos, notadamente o assassinato de importantes cientistas nucleares iranianos.

Essas operações de sabotagem parecem ter se intensificado no ano passado, conforme demonstrado por dois ataques contra a instalação de enriquecimento nuclear de Natanz e, mais dramaticamente, o assassinato em novembro passado do principal cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh.

LEIA: Barco-patrulha dos EUA dispara em advertência a navios da Guarda Republicana Iraniana

Embora essas operações de sabotagem sem dúvida tenham um impacto operacional adverso, elas não alteram a trajetória do programa nuclear nem influenciam indevidamente o cálculo estratégico do Irã.

Na verdade, o Irã demonstrou com sucesso, ao longo de duas décadas, que pode resistir a sanções e sabotagem e, ao mesmo tempo, avançar e desacelerar seu programa nuclear como achar adequado.

Isso levanta a questão de se o Irã realmente precisa de um acordo nuclear. Do ponto de vista econômico, a resposta pode ser positiva, pois as sanções, sem dúvida, têm um impacto insidiosamente deletério.

Contudo, de um ponto de vista geopolítico e estratégico mais amplo, a resposta é menos certa em vista da crescente estatura e ambições do Irã na região e além.

Todas as opções estão sobre a mesa para o Irã nos anos decisivos que virão, à medida que a região passa por transformações mais dolorosas, como evidenciado pela mudança no equilíbrio de poder entre a República Islâmica e seus adversários.

Até agora, o Irã não considerou seriamente nem planejou desenvolver armas nucleares, mas como o poderoso ministro da inteligência do país, Seyed Mahmoud Alavi, advertiu no início de fevereiro, esse cálculo pode mudar especialmente se o Irã for encurralado.

Embora o resultado das negociações de Viena esteja em risco, o que está claro é que um cenário sem acordo não é o fim do mundo.

Novas negociações podem começar no final do verão ou outono, após a eleição presidencial do Irã no mês que vem.

Mas, em última análise, um acordo nuclear sustentável é de fato mais consistente com os interesses dos EUA e de outros adversários do que com os do Irã.

LEIA: Arábia Saudita remove placas “somente muçulmanos” da via para Medina

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIrãOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments