Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Resistência da União Europeia a refugiados deixa mais de 2 mil mortos durante a pandemia, revela reportagem

Centenas de migrantes de diferentes países estão reunidos na fronteira da Bósnia e Herzegovina com a Croácia, aguardando a oportunidade de seguir para o país da UE, em Sarajevo, Bósnia e Herzegovina, em 24 de outubro de 2018 [Samir Yordamoviç/Agência Anadolu]
Centenas de migrantes de diferentes países estão reunidos na fronteira da Bósnia e Herzegovina com a Croácia, aguardando a oportunidade de seguir para o país da UE, em Sarajevo, Bósnia e Herzegovina, em 24 de outubro de 2018 [Samir Yordamoviç/Agência Anadolu]

A resistência dos países membros da União Europeia (UE) aos requerentes de asilo e refugiados que buscavam entrar na Europa durante a pandemia de covid-19 causou a morte de mais de 2.000, de acordo com uma reportagem do jornal britânico The Guardian.

A reportagem, baseada em investigações conjuntas com jornais europeus e dados provenientes de várias organizações, revelou que alguns estados da UE têm usado uma série de táticas coordenadas para repelir dezenas de milhares de requerentes de asilo e foram supostamente apoiados pela agência de fronteiras da UE Frontex .

As táticas, que incluem a terceirização de embarcações privadas, o espancamento e abuso de refugiados capturados e o abandono de refugiados no mar, resultaram na morte de cerca de dois mil requerentes de asilo.

Estados como Itália, Malta, Grécia, Croácia e Espanha usaram a pandemia para acelerar agendas linha-dura contra a chegada de requerentes de asilo.

A Croácia é um país importante que usou força física contra os requerentes de asilo, com a reportagem citando tortura, chicotadas, roubo e agressão sexual contra eles nas mãos da polícia croata. Também divulgou estatísticas do Conselho de Refugiados da Dinamarca (RDC, na sigla em inglês), mostrando que a Croácia rejeitou quase 18.000 requerentes de asilo desde o início da pandemia.

Outro importante estado-membro da UE responsabilizado pelas mortes é a Grécia, que foi relatada pela Border Violence Monitoring Network (BVMN) por ter afastado cerca de 6.230 requerentes de asilo desde janeiro do ano passado. O Guardian fez referência ao próprio relatório da BVMN sobre o assunto, mencionando o “uso desproporcional e excessivo da força” das autoridades gregas contra os refugiados.

A reportagem afirmou que “exemplos extremamente cruéis de violência policial documentados em 2020 incluem espancamentos excessivos prolongados (muitas vezes em corpos nus), imersão em água, abuso físico de mulheres e crianças, o uso de barras de metal para causar ferimentos”. Também citou testemunhos que detalhavam como os guardas amarraram as mãos dos requerentes de asilo às grades das celas e colocaram capacetes em suas cabeças antes de espancá-los para evitar hematomas.

LEIA: Malta deve transferir imigrantes em navios de resgate para estados da União Europeia

Outras numerosas violações dos direitos humanos dos guardas de fronteira gregos e a polícia cometidos contra refugiados que tentam entrar na Europa incluem empurrar e atirar em barcos de refugiados, detê-los e torturá-los em locais secretos e escuros, despiu-os e roubou-os antes de enviá-los de volta ao fronteira. Também foi descoberto em agosto que a Grécia expulsou secretamente 1.000 refugiados e os abandonou no mar para se defenderem sozinhos.

De acordo com o serviço de linha direta para migrantes em dificuldades no mar Alarm Phone: “Documentamos tantos naufrágios que nunca foram oficialmente contabilizados e, portanto, sabemos que o número real de mortos é muito maior. Em muitos dos casos, os guardas costeiros europeus recusaram-se a responder – preferiram deixar as pessoas se afogarem ou interceptá-las de volta ao lugar de onde haviam arriscado suas vidas para escapar”. Ele insistiu: “Essas mortes são na Europa”.

Outra estratégia usada foi recrutar navios privados para repelir os refugiados, que Malta, em particular, teria usado e foi evidenciado por mensagens de voz vazadas em maio passado.

A resistência dos requerentes de asilo por países da UE também inclui cooperação com países não pertencentes à UE, como a Líbia, que foi supostamente responsável pelo afogamento de 130 imigrantes perdidos no mar no mês passado, depois que Itália e Líbia supostamente ignoraram um pedido de socorro do barco de imigrantes . Após esse incidente, o Guardian revelou em uma investigação conjunta com o Rai News da Itália e o jornal Domani uma falta deliberada de resposta ao chamado de dois comandantes líbios da guarda costeira e um oficial da guarda costeira italiano.

Em declarações ao jornal, Fulvio Vassallo Paleologo, especialista italiano em direitos humanos e imigração, afirmou: “Nesse contexto, as mortes no mar desde o início da pandemia estão direta ou indiretamente ligadas à abordagem da UE que visa fechar todas as portas da Europa e o aumentar a externalização do controle de migração para países como a Líbia”.

LEIA: Malta resgata 112 imigrantes de iminente naufrágio

Categorias
ÁfricaChipreCroáciaEspanhaEuropa & RússiaGréciaItáliaLíbiaMaltaNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioTurquiaUE
Show Comments
Show Comments