Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Diplomata do Irã desiste de apelação e vai cumprir pena de prisão na Bélgica

Pessoas agitam antigas bandeiras do Irã e seguram retratos enquanto protestam do lado de fora do tribunal de Antuérpia, em 4 de fevereiro de 2021, durante o julgamento de quatro suspeitos, incluindo um diplomata iraniano acusado de participar de um complô para bombardear uma manifestação da oposição na França. [John Thys/ AFP via Getty Images]
Pessoas agitam antigas bandeiras do Irã e seguram retratos enquanto protestam do lado de fora do tribunal de Antuérpia, em 4 de fevereiro de 2021, durante o julgamento de quatro suspeitos, incluindo um diplomata iraniano acusado de participar de um complô para bombardear uma manifestação da oposição na França. [John Thys/ AFP via Getty Images]

Um diplomata iraniano condenado a 20 anos de prisão por planejar um ataque a bomba na França retirou um recurso na Bélgica e cumprirá sua pena, informou seu representante na terça-feira.

As autoridades belgas disseram que se oporão a qualquer possível acordo de troca com prisioneiros ocidentais, segundo os advogados.

Assadolah Assadi foi considerado culpado de tentativa de terrorismo em fevereiro, após uma conspiração frustrada para bombardear um comício de 2018 do Conselho Nacional de Resistência do Irã (NCRI), um grupo de oposição baseado na França.

Foi a primeira vez que um oficial iraniano foi julgado por suspeita de terrorismo na Europa desde a revolução iraniana de 1979.

“Este tem sido um julgamento político desde o início e ele não quer mais participar”, disse o advogado de Assadi, Dimitri de Beco, a repórteres em Antuérpia, onde foi sentenciado em 4 de fevereiro.

Os juízes decidiram que a imunidade diplomática como terceiro conselheiro na embaixada do Irã em Viena não protegia Assadi das acusações de usar o cargo para terrorismo patrocinado pelo Estado.

LEIA: Zarif do Irã pede desculpas por comentários vazados

Em sua decisão, o tribunal belga disse que ele dirigia uma rede de inteligência estadual. Assadi levou explosivos para o complô de Paris em um voo comercial do Irã para a Áustria, disse.

A missão do Irã na UE disse em um comunicado que a Bélgica violou a lei internacional e que Teerã se reservou o direito de recorrer a todos os mecanismos legais.

Assadi não compareceu às suas audiências ou sentenças judiciais, que foram realizadas a portas fechadas em alta segurança.

Ele foi preso na Alemanha, mas a Bélgica concordou em realizar o delicado julgamento porque dois dos outros suspeitos eram cidadãos belga-iranianos e foram presos na Bélgica.

Um terceiro foi preso na França. Todos os três receberam sentenças longas.

Os advogados do NCRI disseram que havia garantias do estado belga de que não haveria troca de Assadi por prisioneiros ocidentais no Irã, citando uma separação de poderes entre decisões judiciais e políticas e uma garantia por escrito do governo belga.

A República Islâmica rejeitou todas as acusações de terrorismo, chamando as acusações de ataque a Paris de uma manobra de “bandeira falsa” do NCRI, que considera um grupo terrorista.

Categorias
AlemanhaBélgicaEuropa & RússiaFrançaIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments