Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano abre investigação contra governador do Banco Central e irmão

Soldados do Exército libanês tiram um pneu em chamas da cerca ao redor da filial local do Banque du Liban, enquanto os manifestantes se reúnem para protestar contra as péssimas condições econômicas na cidade de Trípoli, em 11 de junho de 2020 [Fathi Al-Marsi/AFP via Getty Images]
Soldados do Exército libanês tiram um pneu em chamas da cerca ao redor da filial local do Banque du Liban, enquanto os manifestantes se reúnem para protestar contra as péssimas condições econômicas na cidade de Trípoli, em 11 de junho de 2020 [Fathi Al-Marsi/AFP via Getty Images]

O promotor público do Líbano lançou uma investigação contra o governador do Banco Central, Riad Salameh, disse uma fonte judicial, depois que um pedido legal suíço alegou que mais de US$ 300 milhões foram desviados do banco por meio de uma empresa de propriedade de seu irmão.

Uma fonte judicial disse à Reuters que os escritórios do irmão mais novo de Salameh, Raja, foram fechados, com computadores e arquivos confiscados durante a investigação. O promotor público não fez comentários.

Riad Salameh, que nega qualquer irregularidade, não se pronunciou quando questionado pela Reuters sobre a abertura da investigação, o lacramento do gabinete de seu irmão e o confisco dos arquivos.

O banco central também se recusou a comentar ou a fornecer os dados de contato de Raja Salameh, de modo que a Reuters não pôde pedir seu comentário imediatamente.

O gabinete do procurador-geral suíço disse em janeiro que havia solicitado assistência jurídica do Líbano na investigação de “lavagem de dinheiro agravada” e possível desfalque relacionado ao Banco Central libanês, o Banque du Liban.

LEIA: Compositor libanês com ligações com Aoun desaparece na Arábia Saudita

O pedido suíço alega que a Forry Associates, uma empresa de propriedade de Raja Salameh com uma conta bancária na Suíça que cobrava comissão sobre as vendas de Eurobonds libaneses e títulos do Tesouro, recebeu US$ 326 milhões pelo banco central entre 2002 e 2014 em transações rotuladas como taxas e comissões.

A maior parte dos pagamentos a Forry foram posteriormente transferidos para uma conta em nome de Raja Salameh.

Mais de US$ 7 milhões também foram transferidos da Forry Associates entre 2008 e 2012 para uma conta em nome de Riad Salameh, afirma o documento.

A Reuters não conseguiu encontrar os dados de contato da Forry Associates.

O gabinete do procurador-geral suíço não fez comentários sobre o conteúdo do pedido legal, a não ser repetir a declaração de janeiro. Não foi dito se Riad Salameh é um suspeito.

Um funcionário do governo libanês disse à Reuters em janeiro que as autoridades suíças estavam investigando transferências de dinheiro por Riad Salameh e também investigando seu irmão e assistente. Salameh disse que quaisquer alegações sobre tais transferências eram “invenções”.

Salameh disse em uma declaração ao promotor público em janeiro que ele respondeu às perguntas enviadas em nome dos suíços e “afirmou a ele que nenhuma transferência foi feita das contas do Banco Central libanês”.

O promotor libanês Ghassan Oueidat enviou as conclusões iniciais às autoridades suíças em fevereiro, disse a mídia estatal.

Nenhum outro detalhe sobre o caso foi oficialmente anunciado pelas autoridades suíças desde então.

O sistema bancário do Líbano está no centro de uma crise financeira que eclodiu no final de 2019. Os bancos bloquearam a maioria das transferências para o exterior e cortaram o acesso aos depósitos à medida que os dólares escasseavam.

O colapso derrubou a moeda, gerou um calote soberano e condenou pelo menos metade da população à pobreza.

A investigação suíça é uma das várias em andamento ou planejadas na Europa que visam autoridades do setor financeiro do Líbano e sua classe política mais ampla.

Categorias
Europa & RússiaLíbanoNotíciaOriente MédioSuíça
Show Comments
Show Comments