Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito executa 17 prisioneiros, incluindo um professor de Alcorão de 80 anos

O governo egípcio manteve a sentença de morte contra o sheikh Abdel Halim Gabreel de 80 anos.
O governo egípcio manteve a sentença de morte contra o sheikh Abdel Halim Gabreel de 80 anos.

Dezessete prisioneiros egípcios, incluindo o sheikh Abdel Halim Gabreel, um professor do Alcorão de 80 anos, foram executados ontem, sob acusações forjadas no caso conhecido na mídia como o “massacre de Kerdasa”. As autoridades do regime executaram as sentenças de morte na madrugada na prisão de Wadi Al-Natrun em total sigilo e sem notificação prévia às famílias.

Os outros 16 prisioneiros executados foram: Walid Saad Abu Omaira, Mohamed Rizk Abuel Soud, Ashraf Sayed Rizk, Ahmed Owes Hussein, Essam Abdel Moety, Ahmed Abdel Nabi, Badr Abdel Nabi, Qutb Sayed Qutb, Omar Mohamed El-Sayed, Izzat Al-Attar, Ali El-Sayed Kenawy, Abdullah Saeed, Mohamed Yousef Al-Seidi, Ahmed Abdel Salam, Arafat Abdel Latif, Mustafa El-Sayed El-Kerfesh.

Todos os 17 homens foram condenados pela morte de 13 policiais durante um ataque em 2013 a uma delegacia de polícia no subúrbio de Gizé, Kerdasa, em 2013.

LEIA: Região MENA é responsável por 88% das execuções em todo o mundo em 2020, segundo Anistia Internacional

No entanto, questões sérias foram levantadas sobre sua convicção. A Organização Árabe para os Direitos Humanos do Reino Unido (AOHR, na sigla usual em inglês) confirmou que a identidade dos que invadiram a delegacia de polícia em questão permanece desconhecida – o estado não apresentou nenhuma evidência concreta ligando os homens executados (ou qualquer um dos acusados) à operação. Muitos de seus depoimentos foram extraídos sob tortura e, portanto, são inadmissíveis, e que o primeiro julgamento foi anulado devido ao uso de tortura pelo Estado.

A condenação de Gabreel, em particular, suscitou sérias preocupações. Não só o homem de 80 anos sofria de graves problemas de saúde que o impossibilitariam de participar de uma operação mortal, mas também testemunhas oculares que apresentaram depoimentos afirmando que ele não estava perto da delegacia de Kerdasa no dia do incidente.

Além disso, as testemunhas de acusação negaram ter assinado as declarações escritas que confirmam a participação de Gabreel nos acontecimentos. No entanto, o tribunal ignorou esses documentos e decidiu executá-lo, disse a AOHR detalhando os antecedentes de seu caso. Seu advogado disse que ele nunca cometeu nenhum ato criminoso ao longo da vida e que sofre de psoríase e não pode caminhar longas distâncias, o que impossibilita sua participação em qualquer operação criminosa.

As execuções, que fazem parte de uma campanha mais ampla de repressão contra todos os críticos do regime egípcio, foram recebidas com indignação. “Essas execuções nestes dias abençoados indicam até que ponto este regime chegou em termos de criminalidade, imprudência e desafio a todos os padrões e valores sobre os quais as sociedades são construídas”, disseatingiu  Maha Azzam, presidente do Conselho Revolucionário Egípcio em uma declaração conjunta com o Partido Democrático do Povo Egípcio.

LEIA: Ponha as distrações de lado, a verdadeira ameaça ao Egito é o regime de Sisi

A declaração exortou as massas egípcias a continuar a resistência pacífica e a empregar métodos de desobediência civil e revolução contra o golpe militar liderado pelo presidente Abdel Fattah Al-Sisi.

Em um sinal da crescente preocupação com o aumento do autoritarismo no Egito, na semana passada uma coalizão de 14 dos principais grupos de direitos humanos e ONGs, incluindo a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, pediram aos EUA que não renunciem às condições de direitos humanos aplicáveis ​​ao pacote de ajuda de US$ 1,3 bilhão ao Egito.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments