Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presos por Israel, estudantes pagam alto preço na Palestina

Estudantes palestinos comemoram durante a cerimônia de formatura em 1 de setembro de 2018 [Atia Darwish/Apaimages]
Estudantes palestinos comemoram durante a cerimônia de formatura em 1 de setembro de 2018 [Atia Darwish/Apaimages]

Em uma noite fria de dezembro de 2019, Shatha Hassan, 23, foi acordada por seu irmão Mohammad para lhe contar que o exército israelense havia feito um cerco em sua casa na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

As forças israelenses invadiram a casa e prenderam Shatha, um estudante ativista da Universidade Birzeit, perto de Ramallah.

Um mês depois, o irmão de Shatha, Abd Al-Majeed, 20, foi preso em outra invasão à sua casa e mantido por um mês no centro de interrogatório Al-Maskobiya em Jerusalém.

Depois de ser interrogado por interrogadores israelenses, Abd Al-Majeed foi libertado pelo tribunal militar Ofer. O mesmo tribunal, no entanto, emitiu uma ordem de detenção administrativa contra Shatha.

A detenção administrativa permite que as autoridades israelenses estendam a detenção de um prisioneiro sem acusação formal após o término da sentença, que varia entre dois a seis meses.

Como Shatha estava detida na prisão de Damon perto de Haifa, as forças israelenses invadiram sua casa novamente e prenderam seu irmão Mohammad, que também é estudante ativista na Universidade Birzeit.

LEIA: Ajude a barrar o acordo militar entre Brasil e Israel!

“Recebi a notícia de que Israel prendeu meus irmãos quando eu estava na prisão”, disse Shatha à Agência Anadolu. “Essa ação é muito difícil e dolorosa. É dura, mesmo se eu estivesse fora da prisão.”

A Birzeit University tem sido um centro de ativismo estudantil nos territórios palestinos.

De acordo com dados da universidade, mais de 414 estudantes foram presos por Israel nos últimos dez anos e foram expostos a interrogatórios, julgamentos e detenção administrativa.

A maioria dos estudantes foi acusada de participação em atividades estudantis do bloco islâmico, o braço estudantil do grupo de resistência palestino Hamas, e do Polo Estudantil Democrático Progressista, o bloco esquerdista da Universidade de Birzeit. Israel declarou oficialmente os dois blocos como “associações ilegais”.

Atividades humanas

No campus, Shatha e seus dois irmãos participaram de atividades estudantis, junto com seus colegas. Agora, eles se encontram na prisão.

“Nós compartilhamos nossa infância, os pátios da universidade, nossas atividades estudantis e depois as paredes da prisão”, disse Shatha, relembrando suas memórias com seus irmãos.

Em 21 de fevereiro, o tribunal militar de Ofer aplicou a Mohammad uma pena de prisão de 14 meses e uma multa de $ 1.800 por sua atividade estudantil no campus.

“Meus pais eram ativistas quando eram estudantes na Birzeit University e foram presos por causa disso”, disse Shatha. “Hoje, estamos expostos à mesma experiência depois de mais de 30 anos.”

A aluna era responsável por atividades sociais como a organização de eventos em hospitais, orfanatos e lares de idosos.

“Não acreditava que um dia seríamos detidos por meses por causa de nossas atividades estudantis”, disse Shatha. “Não acreditei que ficaria detida por causa dessas atividades humanas.”

LEIA: Israel mantém 4.500 palestinos em suas prisões

Ativismo estudantil

Na prisão, Shatha se encontrou com suas colegas estudantes Mays Abu Gosh e Samah Jaradat, que foram presas no verão de 2019.

Hoje, as três alunas e dezenas de homens estão detidos pelas forças israelenses devido ao ativismo no campus da Universidade Birzeit.

“Assim que entrei na prisão, Mays e Samah foram à minha cela para perguntar sobre as últimas notícias da universidade”, disse Shatha. “Seus olhos brilhavam, elas perguntavam sobre tudo sobre a universidade.”

“Quando as autoridades israelenses me transferiram para outra cela, estávamos nos reunindo no pátio da prisão. Os outros presos estavam nos chamando de ‘família Birzeit’”, acrescentou ela.

Shatha continuou: “Estávamos caminhando no quintal com Khaleda Jarar, que é uma acadêmica sênior da Universidade de Birzeit. Parecíamos alunos conversando com seus professores”.

As três meninas foram libertadas mais tarde, mas deixaram para trás outras quatro alunas detidas por Israel na prisão de Damon.

De acordo com os números oficiais, Israel mantém 35 mulheres palestinas na prisão de Damon, quatro delas são estudantes.

LEIA: Adolescente palestino tem mandíbula quebrada durante detenção em Israel

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments