Portuguese / English

Middle East Near You

Jordânia prendeu principal suspeito por contato com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita

https://www.monitordooriente.com/20210404-arabia-saudita-apoia-jordania-sobre-prisao-de-ex-principe-herdeiro/
Príncipe Hamzah bin Hussein (à direita) e príncipe Hashem bin Hussein durante cerimônia de abertura da Conferência e Exibição das Forças de Operação Especial da Jordânia (Sofex), em Amã, 10 de maio de 2016 [Khalil Mazraawi/AFP via Getty Images]

Bassem Awadallah, um ex-oficial jordaniano, foi preso por causa de uma suposta tentativa de golpe depois que os serviços de inteligência da Jordânia interceptaram e decifraram mensagens de voz e texto criptografadas entre ele e o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, disse ao Middle East Eye (MEE) uma fonte próxima à investigação.

Os dois homens discutiram como e quando usar a crescente agitação popular na Jordânia, alimentada pela economia em declínio do reino e a pandemia de covid-19, para desestabilizar o governo do rei Abdullah II.

A fonte do MEE não viu as mensagens, mas foi informada de seu conteúdo.

Awadallah estava entre uma série de atuais e ex-funcionários jordanianos presos em 3 de abril, enquanto surgiam rumores de uma suposta tentativa de golpe.

Entre os envolvidos, no que o governo jordaniano descreveu como tentativas de desestabilizar o país, estava Hamzah bin Hussein, um ex-príncipe herdeiro e meio-irmão do rei Abdullah.

LEIA: Príncipe da Jordânia promete descumprir ordens militares para silenciá-lo

As mensagens entre Awadallah e Mohammed bin Salman foram consideradas prova definitiva de um complô arquitetado por uma potência estrangeira para que os jordanianos o compartilhassem imediatamente com seus homólogos americanos. Eles então se reportaram ao presidente dos EUA, Joe Biden.

Com base nessa inteligência, Biden ligou para o rei Abdullah antes de emitir uma declaração de apoio horas depois que os problemas na Jordânia foram tornados públicos.

Biden, então, complementou a declaração com suas próprias palavras. Questionado sobre se estava preocupado com a situação na Jordânia, Biden disse aos repórteres: “Não, não estou. Acabei de ligar para dizer que ele tem um amigo na América. Aguente firme”.

Os jordanianos interpretaram isso como Biden alertando pessoalmente Mohammed bin Salman sobre a derrubada de Abdullah.

Uma segunda fonte próxima ao Tribunal Real em Amã disse que a mensagem também foi dirigida aos parceiros estratégicos do príncipe herdeiro Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelense, e o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed bin Zayed.

“Essa mensagem foi tanto um aviso para MBS e seus apoiadores regionais MBZ e Netanyahu, que também estavam envolvidos, quanto uma declaração de apoio a Abdullah”, disse a fonte, referindo-se aos príncipes da coroa saudita e dos Emirados por apelidos comuns.

A natureza da inteligência decifrada também foi relatada separadamente por um jornalista jordaniano que é considerado a voz da Corte Real.

Abdullah encontra Mohammed bin Salman

O rei Abdullah fez de tudo para abafar o complô silenciosamente, sem ter que confrontar o príncipe Hamza ou prender os envolvidos.

Em 8 de março, uma semana antes de a Jordânia ser balançada por seis pacientes de covid que morreram em um hospital em al-Salt que ficou sem oxigênio, um evento que atraiu Hamzah para a cidade em uma visita de alto perfil, Abdullah voou para Riad com seu filho, príncipe Hussein, para um encontro pessoal com Mohammed bin Salman.

O objetivo de Abdullah era dizer a Mohammed bin Salman que ele sabia o que estava acontecendo e obter sua garantia de que ele e seu filho tinham o apoio do príncipe saudita.

“Ele foi tão explícito quanto poderia ter sido para a MBS que sabia o que estava acontecendo”, disse ao MEE uma fonte jordaniana informada sobre a visita.

LEIA: Arábia Saudita apoia Jordânia sobre prisão de ex-príncipe herdeiro

“Ele disse que desestabilizar a Jordânia não ajudaria ninguém. Ele disse ao príncipe herdeiro que queria ter certeza de que apoiaria a ele e a seu filho.”

Mohammed bin Salman foi efusivo em resposta. O príncipe herdeiro saudita prometeu seu apoio pessoal ao rei da Jordânia e a seu filho.

A fonte disse: “MBS abraçou os dois. Mas todos se lembram de como ele se ajoelhou para beijar a mão de seu primo Mohammed bin Nayef na mesma noite em que o substituiu como príncipe herdeiro de uma maneira humilhante”.

Quando Abdullah viu que mensagens criptografadas ainda estavam sendo enviadas, e quando Hamzah apareceu no al-Salt criticando o fato de as autoridades não terem fornecido oxigênio suficiente para o hospital, uma visita descrita como a “gota d’água que quebrou as costas do camelo”, o rei percebeu que não teria outra opção a não ser confrontar seu meio-irmão e prender os supostos conspiradores.

Yusuf al-Huneiti, o chefe dos militares da Jordânia, foi, então, enviado ao palácio de Hamzah para entregar a mensagem de que o príncipe havia “cruzado a linha vermelha” e estava em prisão domiciliar.

Awadallah continua detido. Na semana passada, foi relatado que o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Faisal bin Farhan, voou para Amã para garantir a libertação de Awadallah, que possui cidadania saudita.

O ministro também veio com uma carta oficial de apoio do rei Salman ao rei Abdullah. No entanto, fontes disseram ao MEE que Abdullah se recusou a comparecer à reunião.

LEIA: Príncipe da Jordânia envolvido em tentativa de golpe não foi enganado, diz analista

Perdendo o suporte

Após a detenção do príncipe Hamzah e a prisão de Awadallah, foram feitas tentativas para entender quais as conexões – se houver – entre os dois homens.

Fontes disseram ao MEE que a relação entre Awadallah e o príncipe Hamzah era de longa data.

Amigos do príncipe Hamzah negaram, dizendo que a dupla só se conheceu enquanto Awadallah recebia condolências pela morte de seu irmão há dois meses.

De acordo com uma fonte árabe que antes se considerava amigo de Awadallah, o empresário jordaniano começou a passar mensagens para Hamzah logo depois de se separar definitivamente do rei Abdullah em novembro de 2018.

Awadallah era próximo de Abdullah. Ele foi chefe da Corte Real e, em seguida, ministro das Finanças. Ele foi demitido, mas a relação próxima entre Awadallah e o rei continuou.

Ele foi nomeado enviado especial da Corte Real da Jordânia à Arábia Saudita e reivindicou uma parte nas negociações para a criação de um Conselho de Coordenação Saudita-Jordaniano, um veículo lançado em 2016 que Amã esperava que renderia bilhões de dólares.

O think tank do Washington Institute relatou na época: “O fundo, dito ser parte da iniciativa recentemente revelada ‘Visão 2030’ da Arábia Saudita para diminuir a dependência do reino das receitas do petróleo, irá supostamente concentrar seu investimento na Zona Econômica Especial de Aqaba.”

No entanto, o dinheiro nunca veio.

Marwan Muasher, ex-ministro das Relações Exteriores da Jordânia e vice-presidente do Carnegie Institute escreveu: “Os sauditas não fornecem nenhuma assistência bilateral direta à Jordânia desde 2014. Um pacote combinado do Golfo de $ 2,5 bilhões do Kuwait, Arábia Saudita e Emirados Árabes após uma nova onda de protestos na Jordânia em 2018 tomou em grande parte a forma de garantias de empréstimos e depósitos no Banco Central da Jordânia, com pouco ou nenhum apoio orçamentário direto. Enquanto isso, os Emirados Árabes e o Catar ampliaram pacotes bilaterais menores”.

LEIA: Príncipe jordaniano coordenou tentativa fracassada de golpe com ex-oficial

A Corte Real da Jordânia considera esse apoio diluído parte de uma estratégia de longa data para estrangular o reino e desestabilizá-lo, disseram as fontes.

Dois anos depois, em junho de 2018, quando o rei estava sob pressão de protestos de rua contra as medidas de austeridade, Abdullah demitiu o então primeiro-ministro, Hani al-Mulki.

Awadallah se gabou para seus amigos árabes de que substituiria Mulki. Ele não o fez e, em novembro daquele ano, foi demitido como enviado a Riad.

“Awadallah começou a falar muito negativamente sobre Abdullah, tanto em seus briefings ao MBS quanto ao MBZ”, disse a fonte árabe ao MEE.

“Awadallah não foi o único fator, mas ele se tornou parte da agenda da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes para colocar mais pressão sobre a Jordânia para cumpri-los completamente.”

O príncipe Hamzah negou que fizesse parte de uma conspiração estrangeira.

Falando em inglês no vídeo transmitido por seu advogado à BBC, Hamzah disse que não fazia parte de nenhuma conspiração estrangeira e denunciou o sistema governamental como corrupto.

“O bem-estar [dos jordanianos] foi colocado em segundo lugar por um sistema de governo que decidiu que seus interesses pessoais, interesses financeiros e que sua corrupção são mais importantes do que a vida, a dignidade e o futuro dos dez milhões de pessoas que vivem aqui”, disse ele.

As autoridades em Amã prometeram aos jordanianos uma investigação transparente, e seus porta-vozes na mídia oficial continuam a falar sobre a seriedade da suposta sedição.

Khaitan escreveu em al-Ghad: “Somente quando a investigação seja concluída e a acusação seja emitida contra os réus, com todas as confissões profusas nela incluídas, é então que a opinião pública vai perceber a dimensão e seriedade deste caso e muitas pessoas receberão uma resposta a uma pergunta que dominou a esfera pública sobre a validade de vincular o príncipe a Bassem Awadallah”.

Publicado originalmente em Middle East Eye

LEIA: Crise com tentativa de golpe na Jordânia foi superada, diz cônsul no Brasil

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoJordâniaOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Engajando o mundo: a elaboração da política externa do Hamas
Show Comments