Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

No Egito, opinião pública pede que ministro e Autoridade Ferroviária sejam responsabilizados por acidente de trem

Cena de uma colisão ferroviária na capital egípcia, Cairo, em 12 de março de 2020 [AFP/Getty Images]
Cena de uma colisão ferroviária na capital egípcia, Cairo, em 12 de março de 2020 [AFP/Getty Images]

Houve um clamor depois que o promotor público egípcio responsabilizou funcionários juniores por um acidente de trem no Alto Egito no mês passado que matou 20 e deixou 185 feridos quando um trem em alta velocidade atingiu uma locomotiva parada em Sohag, ao sul da capital.

A investigação do promotor público revelou que o sinaleiro estava fumando haxixe e o maquinista assistente havia tomado o potente analgésico tramadol.

A investigação também descobriu que o motorista principal não estava na cabine no momento do acidente e que o assistente estava no assento do motorista.

Um relatório de medicina legal concluiu que os ferimentos do maquinista e de seu assistente não coincidiam com seus testemunhos, que os dois estavam na cabine dos motoristas no momento do acidente.

Usuários de mídia social questionaram por que a Autoridade Ferroviária não está sendo responsabilizada e por que as investigações não investigaram o papel do ministro dos Transportes, Kamel Al-Wazir, que já havia emitido instruções para treinar motoristas para dirigir rápido.

O maquinista e seu assistente são acusados ​​de desativar o controle automático do trem, que limita a velocidade do trem, mas o próprio Al-Wazir deu instruções para que o dispositivo ATC fosse desativado porque força o trem a desacelerar.

LEIA: Grupo de direitos humanos alerta sobre aumento do número de prisões no Egito Data

Al-Wazir respondeu aos pedidos de demissão após o acidente perguntando: “Por que um ministro deveria sair quando ocorrem problemas em seu ministério?”

As ferrovias do Egito estão arruinadas e precisam desesperadamente de restauração. Centenas de egípcios morreram nos últimos meses em acidentes que, segundo observadores, poderiam ser evitados se dinheiro fosse gasto na restauração dos trilhos.

Em 2020, a Agência Central de Mobilização Pública e Estatística informou que ocorreram mais de 10.000 acidentes de trem entre 2013 e 2019.

O acidente de trem de Sohag foi o quinto desde que Abdel Fattah Al-Sisi assumiu o poder após o golpe militar de 2013 e renovou as críticas sobre o motivo pelo qual o general não conseguiu evitar esses acidentes letais.

Em agosto de 2017, Al-Sisi disse: “Em vez de pagar EGP 10 bilhões para desenvolver a ferrovia, prefiro depositar esse valor no banco onde terei 10 por cento de benefício anual, o que aumentará o que tenho em EGP 1 bilhão”.

De acordo com o Banco Mundial, o Egito precisa gastar cerca de $ 10 bilhões em reformas ferroviárias.

LEIA: Egito julga novamente ex-líder da Irmandade Muçulmana sob acusações de espionagem

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments