Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Há 2.7 milhões de pessoas em situação precária no noroeste da Síria, alerta ONU

Campo de refugiados após enchentes na província de Afrin, noroeste da Síria, 31 de janeiro de 2021 [Muhammed Abdullah/Agência Anadolu]
Campo de refugiados após enchentes na província de Afrin, noroeste da Síria, 31 de janeiro de 2021 [Muhammed Abdullah/Agência Anadolu]

Volkan Bozkir, diplomata turco e atual presidente da Assembleia Geral da ONU, afirmou neste sábado (10) que a maior catástrofe humanitária do mundo desde a Segunda Guerra Mundial ocorre hoje na Síria, conforme informações da agência Anadolu.

Junto de oficiais das Nações Unidas, Bozkir inspecionou a chamada área de transferência da entidade internacional no distrito de Reyhanli, sul da província de Hatay, e recebeu informações adicionais de Mark Cutts, coordenador regional para a crise síria, e outros oficiais.

“Aproximadamente 2.7 milhões de pessoas deslocadas vivem em condições bastante precárias no noroeste da Síria”, alertou Bozkir. “Para além daqueles que emigraram a Turquia, Líbano e Jordânia, falo daqueles que vivem no noroeste da Síria.”

“Em torno de 3.4 milhões de pessoas estão sob risco de fome”, reiterou.

LEIA: Ataque do regime Assad mata quatro civis e fere duas crianças na Síria

“A Assembleia Geral das Nações Unidas abordou a questão síria em três ocasiões e tivemos a oportunidade de debater todos os seus aspectos, como assistência humanitária. Porém, quis pessoalmente ir a campo e observar nossas operações”.

Sobre o auxílio das Nações Unidas à Síria, comentou Bozkir: “Lamentavelmente, apenas um dos quatro portões está aberto e a ajuda humanitária só pode ser entregue àqueles em necessidade na Síria através deste único acesso”.

“Tenho esperanças de que o Conselho de Segurança aumente este número novamente o mais rápido possível”, exortou o diplomata turco. “Reitero meu apoio aos apelos e esforços conduzidos pela comunidade internacional nessa direção”.

Bozkir enfatizou que compartirá todas as suas observações em Hatay com os estados-membros da ONU ao retornar à sede da entidade, em Nova York.

A visita de Bozkir incluiu a travessia de fronteira de Cilvegozu e reuniões com autoridades locais e representantes do Crescente Vermelho da Turquia.

Ao lado de Feridun Sinirlioglu, embaixador turco na ONU, e Serdar Cengiz, representante da chancelaria turca em Hatay, Bozkir inspecionou também a zona neutra na região.

Em seguida, visitou o centro temporário de refugiados de Boynuyogun, no distrito de Altinozu, examinou a condução de um curso vocacional e entregou presentes a órfãos sírios na chamada “zona amistosa”, mantida pelo Crescente Vermelho da Turquia.

A Síria é assolada por uma brutal guerra civil desde o início de 2011, quando o regime de Bashar al-Assad reprimiu violentamente protestos pró-democracia. Mais de 5 milhões de civis foram deslocados – a Turquia abriga 3.6 milhões de refugiados sírios, maior índice global.

LEIA: Herói londrino de 101 anos lança desafio global para arrecadar dinheiro para refugiados

Categorias
Europa & RússiaNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioSíriaTurquia
Show Comments
Show Comments