Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando o massacre em Deir Yassin

O massacre de Deir Yassin ocorreu em 9 de abril de 1948, quando cerca de 120 combatentes dos grupos paramilitares sionistas Irgun e Lehi atacaram Deir Yassin, uma aldeia árabe palestina de cerca de 600 pessoas perto de Jerusalém.
O massacre de Deir Yassin ocorreu em 9 de abril de 1948, quando cerca de 120 terroristas dos grupos paramilitares sionistas Irgun e Lehi atacaram Deir Yassin, uma aldeia árabe palestina de cerca de 600 pessoas perto de Jerusalém.

Neste dia, 73 anos atrás, cerca de 120 membros de grupos de milícias judaicas clandestinas invadiram a aldeia árabe palestina de Deir Yassin, matando entre 100 e 250 pessoas, incluindo homens, mulheres, crianças e idosos. Com relatos de mutilações, estupros e sobreviventes desfilando pelos bairros judeus antes de serem sumariamente executados, o massacre continua sendo um dos mais brutais da história do conflito israelense-palestino. Sete décadas depois, os palestinos continuam a ser mortos com aparente impunidade, como demonstram os eventos em andamento na Faixa de Gaza.

O quê: O massacre em Deir Yassin

Quando: 9 de abril de 1948

Onde: A vila de Deir Yassin, nos arredores de Jerusalém Ocidental

O que aconteceu?

O massacre ocorreu em meio ao amargo conflito que precedeu o fim do Mandato Britânico na Palestina. Poucos meses antes, em novembro de 1947, a ONU havia proposto a divisão da Palestina em um estado árabe e um estado judeu, com Jerusalém administrada independentemente de cada lado por um corpo internacional. Os árabes rejeitaram a proposta da ONU e o conflito se tornou ainda mais intenso.

Deir Yassin era uma vila pacífica de cerca de 400 pessoas que havia assinado um pacto de não agressão e foi excluída dos confrontos em outros lugares. Devido à sua proximidade com Jerusalém Ocidental, ele veio sob o Plano de Partição da ONU como parte da área independente de Jerusalém.

As forças judaicas que invadiram Deir Yassin pertenciam principalmente a dois grupos extremistas, clandestinos e paramilitares, o Irgun (Organização Militar Nacional) e o Lehi (Lutadores pela Liberdade de Israel, também conhecido como Gangue Stern), ambos alinhados com o movimento sionista de direita; eles foram descritos como grupos “terroristas judeus”. Os dois grupos atacaram o vilarejo para limpar o caminho de seus habitantes árabes para Jerusalém, além de enviar uma mensagem aos demais palestinos da região. O Palmach, uma unidade da Haganah (a precursora das Forças de Defesa de Israel), cuja liderança estava alinhada com a esquerda política, também participou do massacre em um grau menor.

A força de ataque consistia em cerca de 120 combatentes, que se reuniram para uma reunião na manhã anterior ao massacre. Os presentes mais tarde descreveram a atmosfera entre os militantes como festiva, enquanto se preparavam para massacrar os palestinos em suas casas. Eles chegaram à periferia da aldeia às 4h30, onde se posicionaram e começaram a atirar nos moradores. Embora os grupos judeus esperassem que os palestinos fugissem, os residentes não previram que o ataque seria uma tentativa de matá-los ou expulsá-los todos; eles pensaram que era apenas uma invasão e se recusaram a fugir.

As milícias entraram na aldeia, atirando nas ruas e jogando granadas de mão nas casas, destruindo prédios e matando os moradores que se escondiam lá dentro. Testemunhas oculares, incluindo combatentes da Haganah, testemunharam ter visto as tropas de Irgun e Lehi saqueando casas e cadáveres, roubando dinheiro e joias dos sobreviventes e queimando cadáveres. Também houve vários relatos de estupro e mutilação, bem como um relato de que moradores foram mortos após serem levados em um desfile de vitória em bairros judeus em Jerusalém Ocidental.

O que aconteceu depois?

O comitê de emergência árabe em Jerusalém soube do ataque por volta das 9h do mesmo dia. Apesar de apelar para que o Exército Britânico interviesse para proteger os civis, as autoridades do Mandato Britânico não estavam interessadas em enfrentar as milícias judaicas. O general Sir Gordon MacMillan, comandante das forças britânicas na Palestina, declarou de forma infame que arriscaria vidas britânicas apenas pelos interesses britânicos.

LEIA: Filhos dos Massacres

Dois dias depois do massacre, Jacques de Reynier, chefe da delegação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha na Palestina, visitou Deir Yassin. Em suas memórias pessoais, publicadas em 1950, ele lembrou de ter visto os corpos de mais de 200 homens, mulheres e crianças mortos: “[Um dos corpos era de] uma mulher que devia estar grávida de oito meses, atingida no estômago, com queimaduras de pólvora no vestido indicando que ela fora baleada à queima-roupa”.

Em 14 de abril, o inspetor-geral assistente Richard Catling, da Polícia Palestina britânica, entrevistou mulheres sobreviventes do massacre que se refugiaram na cidade palestina de Silwan, nas proximidades. Em um relatório subsequente, ele concluiu que “não havia dúvida” de que os grupos judeus haviam cometido inúmeras atrocidades sexuais contra os aldeões.

“Muitas meninas foram estupradas e depois massacradas. Mulheres idosas também foram molestadas. Há uma história atual sobre um caso em que uma menina foi literalmente dividida em duas. Muitas crianças também foram massacradas e mortas. Também vi uma mulher idosa que tinha cento e quatro anos e fora severamente espancada na cabeça com coronhas de rifle.”

As notícias das mortes indiscriminadas geraram terror entre os palestinos, fazendo com que muitos fugissem de suas cidades e vilas em face dos avanços dos judeus. Com as notícias de outras atrocidades em Haifa e Yaffa, a raiva pública no mundo árabe atingiu novos patamares no mês seguinte, quando exigiram que seus governos tomassem medidas. Consequentemente, em 15 de maio de 1948, um dia após o fim do Mandato Britânico e Israel declarar sua independência, vários exércitos árabes invadiram e a guerra árabe-israelense de 1948 começou.

O rescaldo

Após o fim da guerra em 1949, o bairro judeu de Giyat Shaul Bet foi construído no que costumava ser Deir Yassin, apesar dos protestos e pedidos para que fosse deixado desabitado. Faz parte hoje de Har Nof, uma área judaica ortodoxa.

Embora os dois principais grupos responsáveis ​​pelo massacre fossem considerados clandestinos, milícias extremistas, ambos de seus líderes, Menachem Begin do Irgun e Yitzhak Shamir do Gang Stern, que mais tarde tornou-se primeiro-ministro do estado de Israel.

Hoje, Israel continua matando palestinos com aparente impunidade; a indignação da comunidade internacional é geralmente limitada a condenações em plataformas globais. Enquanto os palestinos marcam 73 anos desde a Nakba (“Catástrofe”, a criação de Israel na Palestina) no próximo mês, as vidas e os direitos daqueles na Cisjordânia e na Faixa de Gaza continuam a ser pisoteados, com milhões em todo o mundo negando o direito legítimo de regressar às suas casas. O massacre de Deir Yassin é uma lembrança da desumanidade e brutalidade no cerne da ocupação em curso e da crise de refugiados.

LEIA: Lembrando o Massacre de Hama em 1982

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
IsraelNeste diaOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments