Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Embaixadora israelense de extrema-direita em Londres causa divisão do judaísmo liberal

Embaixadora de Israel no Reino Unido, Tzipi Hotovely, na Cisjordânia em 3 de novembro de 2015 [MENAHEM KAHANA/AFP/Getty Images]
Embaixadora de Israel no Reino Unido, Tzipi Hotovely, na Cisjordânia em 3 de novembro de 2015 [MENAHEM KAHANA/AFP/Getty Images]

Os judeus liberais na Grã-Bretanha exigiram o cancelamento de um evento com a controversa embaixadora israelense Tzipi Hotovely esta semana. Mais de 30 “judeus liberais orgulhosos e comprometidos” apoiaram uma carta aberta criticando a reunião online de ontem, mas a liderança do Judaísmo Liberal – uma afiliada da União Mundial para o Judaísmo Progressivo – insistiu em avançar com o programa, provocando indignação e demissões.

O evento foi organizado pelo rabino Charley Baginsky, diretor executivo do Judaísmo Liberal. A promoção do evento no site do grupo reconheceu que a “nomeação de Hotovely foi recebida com alguma preocupação pelos judeus liberais e progressistas”.

A carta aberta à liderança publicada no jornal Jewish Chronicle dizia: “Estamos certos de que o rabino Charley fará perguntas desafiadoras e importantes. Mas nenhuma pergunta negará o fato de Hotovely ter recebido a honra do convite e, portanto, nossa comunidade se tornou muito mais tolerante com o racismo”. O grupo alegou que o evento conferiria uma “plataforma simbólica e de endosso”, referindo-se aos comentários e opiniões da embaixadora de extrema-direita sobre a Palestina e os palestinos.

Em protesto, Omar Portillo renunciou ao cargo de presidente do Grupo de Ação de Judeus Negros e Judeus de Cor do Judaísmo Liberal, que foi estabelecido no verão passado quando o movimento Black Lives Matter assumiu nova proeminência. Explicando sua demissão do grupo de ação, Portillo tuitou: ” Proporcionar à Embaixadora Tzipi Hotovely uma plataforma não é consistente com os valores anti-racistas que eu entendo que o Judaísmo Liberal deve ter”.

LEIA: Oficiais israelenses criticam a retomada da ajuda americana à UNRWA

Na quarta-feira, o Judaísmo Liberal defendeu sua decisão de sediar o antigo deputado do Likud enquanto reconhecia que continuaria a se manifestar quando justificado contra ações ou declarações feitas pelo governo israelense ou por seu enviado.

Hotovely foi nomeada embaixadora de Israel no Reino Unido em junho. Ela usou seu primeiro discurso em um evento organizado pelo grupo de lobby pró-Israel do Conselho de Deputados dos judeus britânicos para descrever a Nakba de 1948 como “uma mentira árabe muito forte e muito popular”. Mais de 750 mil palestinos foram expulsos etnicamente de suas casas e terras quando o Estado sionista de Israel foi criado na Palestina ocupada.

Seções da comunidade judaica britânica fizeram campanha contra sua nomeação. Cerca de 1.500 judeus britânicos assinaram uma petição pedindo ao governo de Boris Johnson que a rejeitasse. “Hotovely demonstrou um completo desrespeito pelo direito internacional ao longo de sua carreira política e tem um péssimo histórico de comportamento racista e inflamatório”, a petição apontou.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments