Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Professores marroquinos fazem greve em protesto contra agressões a colegas

Professores marroquinos batem palmas durante uma manifestação pedindo contratos permanentes dentro do sistema de educação nacional, fora da sede do parlamento na capital Rabat em 25 de abril de 2019 [AFP via Getty Images]
Professores marroquinos batem palmas durante uma manifestação pedindo contratos permanentes dentro do sistema de educação nacional, fora da sede do parlamento na capital Rabat em 25 de abril de 2019 [AFP via Getty Images]

Os professores com contratos temporários no Marrocos estão em greve de três dias desde ontem em protesto contra o que eles chamaram de “agressões” pelas forças de segurança a seus colegas durante uma manifestação em Rabat na última quarta-feira, informou Anadolu. “Outras medidas vão aumentar o protesto nos próximos dias”, disse a coordenação nacional dos professores contratados.

O órgão destacou que os referidos professores também reivindicam a inserção formal no setor público, mas não por meio de contratos temporários.

Os professores têm usado as mídias sociais para divulgar vídeos da violência a que foram submetidos em Rabat, com foco em um determinado indivíduo. Vários foram detidos durante o protesto proibido pelas autoridades marroquinas.

Na quinta-feira passada, o governador de Rabat, que é afiliado ao Ministério do Interior, anunciou que havia “aberto uma investigação para determinar a identidade da pessoa que aparece nas fotos e videoclipes, e para apurar as circunstâncias do acidente. ”

LEIA: Rabat denuncia a brutalidade policial da Espanha contra menores de Marrocos

Embora não tenha havido comentários do governo sobre a greve, os sindicatos da educação anunciaram que estão aderindo à greve. Entre os sindicatos que mais se destacam estão o Sindicato Nacional da Educação, a Confederação Democrática do Trabalho (CDT) e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Educação.

Em 2017, o governo marroquino lançou um programa de emprego público com um contrato renovável de dois anos que foi implementado pela primeira vez no setor de educação. Foi relatado que existem mais de 100.000 professores contratados.

Centenas de professores contratados participaram de marchas de protesto em todo o Marrocos, apesar da afirmação do chefe do governo marroquino, Saadeddine Othmani, em fevereiro de 2018 de que“os contratos assinados pelos professores são definitivos e designados por um período ilimitado”. Os professores continuam a insistir na integração total no setor público.

Categorias
ÁfricaMarrocosNotícia
Show Comments
Show Comments