Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano tortura sírios detidos, diz a Anistia

Espancamentos regulares, ser amarrado a tábuas dobráveis e ter os pulsos amarrados nas costas são alguns dos abusos descritos

A Anistia Internacional acusou ontem as forças de segurança libanesas de torturar refugiados sírios detidos, incluindo “métodos horríveis de tortura” e negando-lhes um “julgamento justo”.

Em um relatório chamado “Eu gostaria de morrer”, o órgão de defesa dos direitos disse que documentou violações contra 26 refugiados sírios, incluindo quatro crianças, que foram presas entre 2014 e 2021, observando que seis deles ainda estão detidos.

De acordo com o relatório, “em todos, exceto um dos 26 casos documentados […], refugiados relataram ter sido torturados, seja durante o interrogatório ou detenção”.

Os métodos de tortura listados no relatório incluíam “espancamentos com varas de metal, cabos elétricos e canos de plástico, ser pendurado de cabeça para baixo ou forçado a posições de estresse por longos períodos de tempo”.

A Anistia disse que as violações foram cometidas principalmente pela inteligência do exército libanês, no centro de inteligência militar de Ablah, no escritório de segurança geral em Beirute, ou no Ministério da Defesa, observando que as forças de segurança libanesas usaram alguns dos mesmos métodos horríveis de tortura usados ​​nas prisões mais famosas da Síria, onde dezenas de milhares de detidos estão detidos.

LEIA: Chefe do Hezbollah apoiará novo gabinete libanês se anunciado na segunda-feira

O relatório disse que duas das vítimas torturadas tinham 15 e 16 anos e foram “espancadas tão violentamente que perderam a consciência”.

O relatório citou um detido dizendo que um agente de segurança o feriu tanto ao espancar seus órgãos genitais que ele urinou sangue por vários dias.

A Anistia Internacional disse que também documentou os maus-tratos de duas mulheres que foram assediadas sexualmente e agredidas verbalmente durante a detenção.

“Uma foi forçada a assistir enquanto agentes de segurança torturavam seu filho e outra mulher foi obrigada a assistir seu marido sendo espancado”, acrescentou.

Além disso, foi negado aos detidos um julgamento justo, no qual “em muitos casos, os juízes confiaram fortemente em confissões extraídas sob tortura”.

“Em 14 dos casos documentados, a Anistia Internacional concluiu que as acusações relacionadas com o terrorismo contra os refugiados sírios foram feitas por motivos discriminatórios, incluindo afiliações políticas. Em nove casos, simplesmente expressar oposição política ao governo sírio foi considerado evidência para justificar as condenações por ‘terrorismo’”, acrescentou o relatório.

Em muitos casos, refugiados que escaparam da guerra, da repressão implacável e da tortura generalizada viram-se arbitrariamente detidos e mantidos incomunicáveis no Líbano, onde enfrentam muitos dos mesmos horrores empregados nas prisões sírias

disse Marie Forestier, pesquisadora sobre direitos de refugiados e migrantes da Anistia Internacional.

“Não há dúvida de que os membros de grupos armados responsáveis por abusos de direitos humanos devem ser responsabilizados por suas ações, mas a flagrante violação do direito dos refugiados sírios ao devido processo pelas autoridades libanesas zombou da justiça. Em todas as fases, desde a prisão até o interrogatório, detenção e acusação em julgamentos injustos, as autoridades libanesas desrespeitaram totalmente o direito internacional dos direitos humanos”, acrescentou.

LEIA: Nenhum progresso em direitos humanos no Líbano desde 2015, diz observatório

Categorias
LíbanoNotíciaOriente MédioSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments