Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Milhares de israelenses protestam contra Netanyahu às vésperas da eleição

Pressão contra o governo de Israel escalou novamente, às vésperas das eleições nacionais, com novos protestos contra Netanyahu, acusado de corrupção e má gestão do coronavírus

Milhares de israelenses conduziram um novo protesto em frente à residência do Primeiro-Ministro de Israel Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, neste sábado (20), três dias antes do estado sionista passar pela quarta eleição nacional em apenas dois anos.

Os manifestantes tomaram as ruas, a princípio, sob bloqueio da política.

O protesto expressivo exibiu bandeiras, ressoou tambores e cornetas e entoou palavras de ordem pelo fim do mandato do político conservador de 71 anos, no poder desde 2009.

A multidão foi ainda maior que os protestos anteriores, ao longo do último ano, reiterou a imprensa israelense, ao estimar ao menos 20 mil manifestantes contra o governo.

O Likud, partido ultraconservador de Netanyahu, deve emergir como maior bancada no pleito de 23 de março. Porém, pesquisas não indicam qualquer vitória clara sobre a maioria legislativa, como ocorreu nas três votações anteriores, para então compor um novo governo.

Milhares de pessoas reúnem-se em frente ao Knesset (Parlamento de Israel), durante protesto contra o Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, 20 de março de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

O premiê espera ser favorecido pelo suposto êxito de seu programa de vacinação contra o covid-19, que permitiu a reabertura de boa parte do setor econômico, após três lockdowns, além de uma série de acordos de normalização com países árabes.

Netanyahu é réu por corrupção e acusado de má gestão da pandemia de coronavírus. Suas acusações incluem propina, fraude e crime de responsabilidade; contudo, nega.

Ativistas e cientistas alertam que o programa vacinal israelense ignora a população árabe, sobretudo dos territórios ocupados, o que impõe risco do surgimento de novas variantes do covid-19. Organizações internacionais descrevem a política como apartheid de saúde.

LEIA: Chefe do partido de Israel se dirige aos árabes: ‘Israel não é o seu país’

Categorias
Eleições israelensesIsraelNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments