Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Congo é favorecido com as sanções de Biden a magnata de diamantes de Israel

O bilionário israelense Dan Gertler, à esquerda, faz um tour pelo complexo da mina de cobre e cobalto Katanga Mining Ltd. com Shimon Cohen, à direita, seu consultor de comunicações, em Kolwezi, República Democrática do Congo, na quarta-feira, 1º de agosto de 2012. [Simon Dawson/Bloomberg via Getty Image]
O bilionário israelense Dan Gertler, à esquerda, faz um tour pelo complexo da mina de cobre e cobalto Katanga Mining Ltd. com Shimon Cohen, à direita, seu consultor de comunicações, em Kolwezi, República Democrática do Congo, na quarta-feira, 1º de agosto de 2012. [Simon Dawson/Bloomberg via Getty Image]

O governo Biden revogou uma isenção de sanções ao magnata israelense da mineração Dan Gertler, emitida nos últimos dias do governo Trump. Reimpondo sanções, o Tesouro dos EUA disse que a isenção era “inconsistente com os fortes interesses da política externa americana no combate à corrupção em todo o mundo”, especificamente na República Democrática do Congo.

Gertler secretamente garantiu uma licença de um ano do Tesouro dos EUA que descongelou o dinheiro que ele havia depositado em instituições financeiras nos EUA, relatou o New York Times. A licença acabou efetivamente com a proibição de fazer negócios por meio do sistema bancário internacional após uma série de negócios corruptos que prejudicaram o Congo em mais de US$ 1,3 bilhão em receitas com a venda de minerais.

Sanções foram impostas a Gertler em dezembro de 2017 e novamente em junho de 2018. O Tesouro dos EUA acusou o israelense de usar sua amizade com o ex-presidente do Congo, Joseph Kabila, para fechar acordos de mineração no valor de mais de um bilhão de dólares.

Gertler é um jogador importante na indústria israelense de diamantes, que é a pedra angular da economia do estado sionista. “Israel movimenta cerca de US$ 28 bilhões em diamantes por ano”, apontou o Jerusalem Post. “O valor dos diamantes exportados é tão significativo (cerca de um quinto do total das exportações industriais) que o governo relata seus números sem diamantes para garantir que as gemas não distorçam os valores.”

LEIA: Corte suíça condena bilionário israelense Beny Steinmetz por corrupção

A indústria, entretanto, tem sido cercada de controvérsias. Os membros do órgão regulador de diamantes do Processo Kimberley buscaram reformá-lo, expandindo a definição de “diamante de conflito” para proibir os diamantes vinculados a violações dos direitos humanos por parte das forças governamentais.

A decisão de suspender as sanções contra Gertler provocou indignação, um mês depois que Biden assumiu o cargo de grupos de direitos internacionais e vários legisladores dos EUA pediram ao presidente que cancelasse a flexibilização das sanções de Trump contra os israelenses.

O Departamento de Estado disse ontem que Gertler havia “se envolvido em ampla corrupção pública” e que o Tesouro, em consulta com o departamento, estava revertendo sua ação. “A licença concedida anteriormente ao Sr. Gertler é inconsistente com os fortes interesses da política externa dos Estados Unidos no combate à corrupção em todo o mundo, especificamente incluindo os esforços dos EUA para combater a corrupção e promover a estabilidade na República Democrática do Congo. Os Estados Unidos continuarão a promover a prestação de contas para atores corruptos com todas as ferramentas à nossa disposição para fazer avançar a democracia, respeitar as normas internacionais e impor custos tangíveis àqueles que buscam derrubá-las.”

LEIA: Dinheiro, diamantes e passaporte saudita falso encontrados com acusado de tráfico sexual

O proeminente advogado americano Alan Dershowitz é um dos maiores defensores do Estado de Israel. Ele representou Gertler na pressão para a reversão das sanções. Expressando seu desapontamento com a ação do governo Biden, ele disse: “Esta decisão foi tomada unilateralmente, sem a oportunidade para o Sr. Gertler apresentar evidências de que ele tem cumprido todos os requisitos e se comportado de maneira adequada”.

O grupo de direitos humanos saudou a decisão. “Restaurar as sanções permite que os esforços anticorrupção congoleses e norte-americanos voltem aos trilhos”, disse John Prendergast, co-fundador do The Sentry, um grupo de direitos humanos que estava entre mais de uma dúzia que pediu que o governo Biden revogasse a licença. “A parceria corrupta de Dan Gertler com o ex-presidente Joseph Kabila custou caro à RDC em termos de recursos perdidos, serviços perdidos e, em última análise, vidas perdidas.”

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioRepública Democrática do Congo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments