Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Senador francês sugere ‘quid pro quo’ para acesso da Argélia ao arquivo nacional

O exército francês prendeu muçulmanos que não conseguiram estabelecer sua identidade na Casbah, em Argel, para interrogatório. [Central Press/Getty Images]
O exército francês prendeu muçulmanos que não conseguiram estabelecer sua identidade na Casbah, em Argel, para interrogatório. [Central Press/Getty Images]

Um senador francês pediu ao governo que permita o acesso da Argélia aos arquivos coloniais da França, mas apenas se houver acesso recíproco de pesquisadores franceses aos arquivos da era colonial da Argélia. Este último, insiste Stéphane Le Rudulier, não é fácil agora, daí o seu apelo à intervenção do governo com o seu homólogo argelino.

Le Rudulier deixou isso claro em sua correspondência com o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian. Acrescentou que isso poderia começar concedendo aos argelinos um visto de entrada na França, com o objetivo de servir aos interesses do povo francês acima de tudo.

O senador disse que os arquivos “roubados” na França, como os descreve o jornal argelino Eshorouk, deveriam ser abertos aos argelinos interessados ​​online ou na sede do arquivo central de Aix-en-Provence. Os documentos envolvidos incluem alguns que datam da era colonial e do período otomano, ligados à história da Argélia, que foram apreendidos pelos franceses meses antes de o país do norte da África receber sua independência.

O arquivo argelino está entre as questões controversas sobre as quais as autoridades argelinas e francesas não conseguiram chegar a acordo, uma vez que ambas consideram os documentos propriedade sua. No que diz respeito à Argélia, o arquivo é uma questão exclusivamente do patrimônio argelino, uma visão apoiada pelo direito internacional, que obriga os antigos países coloniais a entregar os documentos e artefatos apreendidos aos seus proprietários originais. A Argélia recentemente ameaçou processar a França nos tribunais internacionais competentes se ela continuar a se recusar a cooperar a esse respeito.

A compensação que o senador Le Rudulier sugeriu abertamente ao governo francês e implicitamente à Argélia veio após o fracasso de uma iniciativa francesa sobre a “memória” colonial franco-argelina liderada pelo presidente Emmanuel Macron em cooperação com seu homólogo argelino, que confiou sobre um relatório preparado pelo historiador francês Benjamin Stora. Quando divulgado, o relatório foi recebido com indignação generalizada na Argélia, rejeitado pelo governo e pelo povo.

LEIA: O que você fez na Argélia, papai?

Categorias
ÁfricaArgéliaNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments