Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram no Catar desde o anúncio da Copa do Mundo, informa reportagem

Centenas de pessoas tiram fotos enquanto o logotipo oficial da 'Copa do Mundo FIFA Catar 2022' é refletido em uma parede em Doha, Catar, em 3 de setembro de 2019. [Mohammed Dabbous/Anadolu Agency]
Centenas de pessoas tiram fotos enquanto o logotipo oficial da 'Copa do Mundo FIFA Catar 2022' é refletido em uma parede em Doha, Catar, em 3 de setembro de 2019. [Mohammed Dabbous/Anadolu Agency]

Mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram no Catar desde que o estado do Golfo foi premiado com a Copa do Mundo de futebol de 2022, há dez anos, revelou o Guardian.

Os resultados compilados de uma série de fontes governamentais mostraram que em média 12 trabalhadores migrantes do Sri Lanka, Índia, Paquistão, Nepal e Bangladesh morreram a cada semana desde dezembro de 2010.

A reportagem do Guardian citou um especialista dizendo ser provável que muitos desses migrantes estivessem trabalhando nos preparativos para a Copa do Mundo de 2022.

O Catar está envolvido em um vasto programa de construção, incluindo sete estádios, um novo aeroporto e uma nova cidade, a fim de acomodar o evento global.

A Anistia tem frequentemente condenado o estado por usar e abusar de trabalhadores migrantes para se preparar para a Copa do Mundo.

Um relatório recente do órgão de defesa dos direitos humanos denominou o evento de “copa do mundo da vergonha” no Catar e apontou taxas de recrutamento exorbitantes, condições de vida terríveis e salários atrasados ​​como evidência de exploração de migrantes.

LEIA: Organizadores da Copa no Catar assinam memorando sobre direitos humanos

O relatório do Guardian afirma que milhares de trabalhadores dos cinco estados do sul da Ásia morreram em circunstâncias inexplicáveis ​​ou duvidosas – geralmente listadas como “mortes naturais” – enquanto trabalhavam no Catar nos últimos dez anos.

Dados vistos pelo Guardian mostram que 69% das mortes entre trabalhadores indianos, nepaleses e de Bangladesh foram listadas como mortes naturais, com esse número aumentando para 80% apenas entre os indianos.

Essas mortes naturais geralmente estão relacionadas à insuficiência cardíaca ou respiratória aguda, mas também podem ser em parte causadas pelo intenso calor do verão no Catar, que um relatório de 2019 revelou ter sido um fator para muitas mortes de trabalhadores migrantes no país.

Outras causas de morte foram listadas como “múltiplas lesões contusas devido a uma queda de altura; asfixia devido a enforcamento; causa indeterminada de morte devido à decomposição”, relatou o Guardian.

A Human Rights Watch (HRW) pediu repetidamente ao Catar que emendasse as leis que impedem autópsias e investigações forenses sobre mortes repentinas ou inexplicáveis ​​de trabalhadores migrantes.

Um relatório de 2014 de advogados do Catar recomendou o mesmo, mas o governo não conseguiu reformar as leis sobre autópsias.

A reportagem do Guardian alertou que o número real de mortes provavelmente será significativamente maior do que 6.500, já que os dados sobre o número de mortes ocorridas nos meses finais de 2020 não estão incluídos.

As descobertas também não revelam o número de mortes de trabalhadores de outros países que enviam grande número de migrantes ao Catar, como Filipinas e Quênia.

LEIA: Brasileiros esperam uma Copa do Mundo excepcional no Catar 2022

Categorias
Anistia InternacionalÁsia & AméricasBangladeshCatarÍndiaNepalNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPaquistãosri Lanka
Show Comments
Show Comments