Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Milhares de pessoas se manifestam na Argélia no segundo aniversário do movimento de protesto

Os argelinos se manifestam na capital Argel, em 22 de fevereiro de 2021, marcando o segundo aniversário do movimento de protesto antigoverno “Hirak” do país. [Ryad Kramdi/AFP via Getty Images]
Os argelinos se manifestam na capital Argel, em 22 de fevereiro de 2021, marcando o segundo aniversário do movimento de protesto antigoverno “Hirak” do país. [Ryad Kramdi/AFP via Getty Images]

Milhares de manifestantes desafiaram uma forte presença policial em Argel hoje para uma marcha para marcar o segundo aniversário de um movimento de protesto em massa que convulsionou a Argélia antes que a pandemia da covid-19 o expulsasse das ruas, informou a Reuters.

Cantando “Um estado civil, não um estado militar!”, “Basta!” e “O povo quer independência!”, manifestantes caminharam pelo centro da capital, agitando bandeiras nacionais, vigiados por grande número de policiais.

Alguns dos manifestantes esperam reviver os protestos duas vezes por semana que surgiram nas cidades argelinas de fevereiro de 2019 por mais de um ano, trazendo regularmente dezenas de milhares de pessoas às ruas até o início da pandemia global.

“Estamos determinados a continuar nossa batalha até a vitória”, disse Djamel Habi, um estudante.

No entanto, alguns outros manifestantes disseram que a marcha foi mais simbólica do que um retorno às manifestações regulares ou que sem uma liderança de oposição clara eles ainda não tinham certeza se continuariam com os protestos.

Embora os protestos de 2019 tenham levado o exército a tirar do poder o veterano presidente Abdelaziz Bouteflika, após duas décadas no cargo, e prender muitas figuras importantes por corrupção, muitos dos manifestantes queriam uma mudança mais completa.

LEIA: Presidente da Argélia dissolverá parlamento, divulga mídia

“Seguiremos nossos princípios até que todas as demandas sejam atendidas”, disse Mohamed Tadjer, um funcionário de 30 anos da seguradora estatal da Argélia.

“As coisas precisam mudar. Estamos fartos”, disse Ahmed Kachime, 25, estudante.

As principais demandas da campanha de protesto sem liderança e desorganizada, conhecida como Hirak (Movimento), foram a expulsão da velha elite governante da Argélia, o fim da corrupção e a retirada do exército da política.

Depois que Bouteflika foi deposto, as autoridades realizaram uma eleição presidencial que os apoiadores de Hirak consideraram uma farsa e que resultou na vitória de Abdelmadjid Tebboune na presidência em dezembro de 2019.

Ele fez algumas ações para atender às queixas dos manifestantes, incluindo pequenas mudanças na constituição, mas a baixa participação em um referendo para afirmar as reformas indicou que seus esforços tiveram pouco apoio público.

Tebboune voltou à Argélia na semana passada, depois de passar a maior parte dos últimos quatro meses na Alemanha, recebendo tratamento médico após contrair covid-19.

Categorias
ÁfricaArgéliaNotícia
Show Comments
Show Comments