Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Parlamentar do Iêmen acusa Irã e Emirados de tentar dividir seu país

Um lutador leal ao separatista Conselho de Transição do Sul (STC) do Iêmen segura o separatista bandeira na província de Abyan ao sul em 18 de maio de 2020 [Nabl Hasan/ AFP via Getty Images]
Um lutador leal ao separatista Conselho de Transição do Sul (STC) do Iêmen segura o separatista bandeira na província de Abyan ao sul em 18 de maio de 2020 [Nabl Hasan/ AFP via Getty Images]

Um membro do Parlamento iemenita, Hamid Al-Ahmar, acusou tanto o Irã quanto os Emirados Árabes Unidos de trabalhar para dividir o Iêmen e estender sua influência na região por meio de suas “ferramentas locais”, em referência aos grupos armados que apoiam.

“O Irã busca dividir o Iêmen para criar uma entidade que o siga, e os Emirados Árabes Unidos não se importam em dividir o Iêmen para ter uma parte do país que está sob sua liderança por meio de ferramentas que acredita poder criar e administrar que permitiriam o controle de portos e ilhas “, disse Al-Ahmar em entrevista à Al Jazeera.

Al-Ahmar explicou que a solução está no diálogo nacional que propõe a criação de uma entidade unificada com uma espécie de administração autônoma ou federal.

O parlamentar negou que os Emirados Árabes Unidos tenham encerrado sua presença militar no Iêmen, afirmando que suas forças ainda estão presentes em várias regiões e continuam apoiando as milícias do Conselho de Transição do Sul (STC) e outros componentes políticos que ele não citou.

Segundo a autoridade, os Emirados Árabes Unidos, por meio de seu embaixador em Moscou, coordenaram a visita de alguns líderes do sul à Rússia e se reuniram com a Wagner Company, uma evasiva companhia militar privada que enviou combatentes a inúmeras zonas de guerra no Oriente Médio.

Sobre os apelos para acabar com a guerra e entrar em um processo político, Al-Ahmar disse acreditar que seria difícil chegar a uma solução política com os Houthis apoiados pelo Irã, descartando a possibilidade de o grupo ser sério e capaz de entrar em um processo político de acordo pacífico sem a presença de uma força dissuasora representada pelo governo apoiado internacionalmente.

O empobrecido Iêmen tem sido assolado pela violência e pelo caos desde 2014, quando os houthis invadiram grande parte do país, incluindo a capital, Sanaa. A crise aumentou em 2015, quando uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita lançou uma devastadora campanha aérea com o objetivo de reverter os ganhos territoriais houthis.

A guerra, na qual os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido (Reino Unido) apoiam a coalizão liderada pelos sauditas, matou mais de 100 mil pessoas e levou milhões à beira da fome, segundo dados oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU).

LEIA: Houthis bombardeiam campo de refugiados a oeste de Marib, alega governo do Iêmen

Categorias
Emirados Árabes UnidosIêmenIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments