Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Pelo menos 400 mil crianças do Iêmen menores de 5 anos podem morrer de fome este ano, alerta ONU

Um bebê iemenita recebe tratamento no Hospital Sabeen, em 13 de janeiro de 2021, em Sanaa, Iêmen. [Mohammed Hamoud/Agência Anadolu]
Um bebê iemenita recebe tratamento no Hospital Sabeen, em 13 de janeiro de 2021, em Sanaa, Iêmen. [Mohammed Hamoud/Agência Anadolu]

Pelo menos 400.000 crianças iemenitas menores de cinco anos podem morrer de fome neste ano sem intervenção urgente em meio a taxas crescentes de desnutrição grave causada pela guerra e pela pandemia de coronavírus, informaram à Reuters quatro agências da ONU hoje.

Os avisos surgem quase seis anos após a eclosão da guerra, que deixou 80% da população dependente da ajuda humanitária.

Em um relatório, as agências projetaram um aumento de 22% na desnutrição aguda grave entre crianças menores de cinco anos no Iêmen, em comparação com 2020.

A desnutrição aguda grave significa que existe o risco de morte por falta de alimentos. Aden, Hudaydah, Taiz e Sanaa estão entre as áreas mais atingidas, disse o relatório.

“Esses números são mais um grito de ajuda do Iêmen, onde cada criança desnutrida também significa uma família lutando para sobreviver”, disse o diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), David Beasley, em um comunicado conjunto com a Organização para Alimentos e Agricultura (FAO), Unicef e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Espera-se que outros 2,3 milhões com menos de 5 anos sofram de desnutrição aguda em 2021.

A desnutrição aguda entre crianças pequenas e mães no Iêmen tem aumentado a cada ano do conflito

eles disseram, impulsionados pelas altas taxas de doenças e taxas crescentes de insegurança alimentar.

Estima-se que cerca de 1,2 milhão de mulheres grávidas ou amamentando terão desnutrição aguda neste ano.

A fome nunca foi oficialmente declarada no Iêmen. A ONU afirma que o país é a maior crise humanitária do mundo.

Junto com o conflito, o declínio econômico e a pandemia, uma redução nas doações no ano passado também está contribuindo para o agravamento da crise humanitária.

Nutrição e outros serviços que impedem milhões de morrer de fome e doenças estão gradualmente fechando em todo o Iêmen em meio à aguda escassez de fundos.

As agências disseram que receberam apenas US $ 1,9 bilhão dos US $ 3,4 bilhões necessários para a resposta humanitária do país. Os programas começaram a fechar e diminuir.

O empobrecido Iêmen tem sido assolado pela violência e pelo caos desde 2014, quando os houthis invadiram grande parte do país, incluindo a capital, Sanaa. A crise aumentou em 2015, quando uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita lançou uma devastadora campanha aérea com o objetivo de reverter os ganhos territoriais dos houthis.

A guerra matou mais de 100.000 pessoas e empurrou milhões à beira da fome, de acordo com dados oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU).

LEIA: Kuwait ajuda a tratar 35 mil pacientes com câncer no Iêmen

Categorias
Arábia SauditaIêmenNotíciaOMSONUOrganizações InternacionaisOriente MédioUNICEF
Show Comments
Show Comments