Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

OMS prepara entrega de vacinas à Síria para abril, apesar da guerra

Crianças refugiadas tentam limpar suas tendas e casas após fortes chuvas inundarem o campo, em Afrin, noroeste da Síria, 31 de janeiro de 2021 [Muhammed Abdullah/Agência Anadolu]
Crianças refugiadas tentam limpar suas tendas e casas após fortes chuvas inundarem o campo, em Afrin, noroeste da Síria, 31 de janeiro de 2021 [Muhammed Abdullah/Agência Anadolu]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está empregando equipes por toda a Síria para dar início a seu programa de vacinação, tanto em áreas controladas pelo governo quanto no território mantido pela oposição.

Por ora, a previsão da campanha é abril, anunciou a agência das Nações Unidas nesta quarta-feira (3), segundo informações da agência Reuters.

Akjemal Magtymova, representante da OMS em Damasco, afirmou que o programa internacional de vacinação Covax planeja imunizar 5 milhões de sírios – 20% da população total do país –, apesar da guerra civil que já dura quase onze anos.

“Estamos preparando nosso plano de distribuição e vacinação junto do Ministério da Saúde, para garantir que o programa seja bem-sucedido”, declarou Magtymova.

A prioridade é vacinar profissionais de saúde sob alto risco de contágio, assistentes sociais e grupos mais vulneráveis.

LEIA: Década de guerra priva mais da metade das crianças sírias da educação, diz ONU

A maioria dos sírios vive hoje em áreas sob controle do regime de Bashar al-Assad, mas a oposição ainda mantém partes do noroeste e nordeste do país. Cerca de um quarto da população na Síria foi deslocada; a maioria vive em campos de refugiados.

A aliança GAVI, grupo que colidera a iniciativa Covax junto da OMS, anunciou na última semana que pretende distribuir 2.3 bilhões de vacinas em todo o mundo, até o fim de 2021, incluindo 1.8 bilhões de doses gratuitas a países pobres.

“Tenho esperanças de que começamos em abril, mas pode demorar mais dependendo de inúmeros fatores”, declarou Magtymova à Reuters, em entrevista por telefone, para esclarecer os planos na Síria. “Temos de equilibrar diversos fatores desconhecidos”, reiterou.

Como outros países que aguardam a vacinação através da iniciativa Covax, a Síria também pode obter suprimentos diretamente das empresas farmacêuticas. Até então, porém, o regime de Assad não anunciou qualquer acordo bilateral.

Oficiais de saúde alegam que Damasco negocia com China e Rússia.

Além das dificuldades logísticas de distribuir o imunizante para além das linhas de batalha, a Síria enfrenta o fardo adicional de novas sanções financeiras internacionais.

Remédios costumam ser isentos de sanções, mas fontes da ONU reportaram que as novas restrições deixaram Damasco sem capacidade econômica para negociar a entrega. O regime sírio decidiu então desacelerar o processo ao criar riscos jurídicos.

Magtymova declarou que qualquer remessa segura que possa ser obtida pela Síria ajudará efetivamente a disponibilizar o imunizante à população.

A OMS, não obstante, não tem qualquer influência em tais acordos bilaterais.

Categorias
CoronavírusNotíciaOMSOrganizações InternacionaisOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments