Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O fim do caso de amor da América com o Oriente Médio

Tropas dos EUA em uma base do exército iraquiano, em 30 de março de 2020. [Zaid Al-Obeidi/AFP/Getty Images]
Tropas dos EUA em uma base do exército iraquiano, em 30 de março de 2020. [Zaid Al-Obeidi/AFP/Getty Images]

Não sei se o declínio do interesse de Washington pelo mundo árabe e seus problemas será uma maldição ou uma bênção. Só o tempo dirá, mas é um fato que estamos olhando para o Oriente Médio, Norte da África e Golfo descendo na lista de prioridades do governo Biden. A relação “especial” entre os dois lados está mudando; este pode ser o fim do caso de amor da América com a região.

Existem várias razões para essa nova realidade. Alguns estão ligados aos países árabes, outros não têm nenhuma relação com os árabes e não os afetam diretamente.

O interesse dos Estados Unidos pela região começou na primeira metade do século 20, mas foi realmente estabelecido após a Segunda Guerra Mundial em relação a duas coisas: petróleo e Israel. O interesse dos EUA aumentou na última parte do século, com o surgimento de outras variáveis, não menos importantes: o Irã e suas ambições militares e estratégicas; o Islã político e sua influência nas ruas; e alguns elementos deste último voltando-se para a violência e o terrorismo transfronteiriço.

A Arábia Saudita tem sido o principal foco de petróleo dos Estados Unidos para manter a produção e os preços sob controle. Enquanto isso, a hegemonia técnica e militar de Israel na região foi assegurada, a qualquer preço.

As coisas geralmente corriam conforme o planejado com a Arábia Saudita e Israel, mas houve uma ou duas surpresas ao longo do caminho, como a Guerra de Outubro de 1973 entre o estado de ocupação e o Egito, e as mudanças geográficas e estratégicas resultantes, bem como a crise do petróleo que se seguiu.

Desde a Revolução Islâmica do Irã de 1979, está claro que o conflito com os EUA é inevitável. É verdade que não houve uma guerra direta entre os dois protagonistas, mas a ameaça está sempre presente. Nesse ínterim, os conflitos regionais por procuração esgotam os dois.

LEIA: Embaixador de Trump diz que retomada do acordo nuclear com o Irã coloca em risco normalização com Israel

A relação de Washington com o Islã político passou por duas fases. O primeiro viu os americanos usando jovens árabes e muçulmanos como bucha de canhão na guerra contra a União Soviética no Afeganistão. O segundo foi mais uma conexão hostil, começando com o fim da ocupação soviética e a presença de milhares de combatentes muçulmanos no Afeganistão sem ninguém para lutar. Eles não tinham nenhuma boa razão para ficar lá, a não ser que seus próprios governos não os queriam de volta. Alguns, porém, voltaram para suas terras natais, enquanto outros vagaram pela região e além. Outros, ainda, apontaram suas armas para os Estados Unidos, seu antigo patrocinador.

Com a aproximação do novo milênio, novas variáveis ​​foram impostas a todos. Os interesses mudaram, assim como animosidades e alianças. O petróleo diminuiu em importância e valor à medida que os poços se foram se esgotando e as economias ocidentais desenvolveram fontes alternativas de energia mais baratas.

Israel está agora a caminho de se tornar um vizinho aceito na região. Podemos esperar que se torne uma parte essencial de seu tecido político e estratégico, e em breve. O sucesso da América em convencer os árabes de que o Irã é seu verdadeiro inimigo levou a uma onda de normalização sem precedentes com o estado de ocupação que terá grandes repercussões regionais.

A “aliança de normalização” está trabalhando para neutralizar o Irã e colocar o país de joelhos. O processo depende de como Teerã administra seus negócios com os outros. A força hostil, neste caso, não são os árabes, mas Israel, que continuará sendo um espinho no lado do Irã, infligindo danos quando e onde puder.

Os EUA também conseguiram transformar o Islã político em uma questão local para todos os países. Washington está ansioso para fornecer assistência logística, experiência e aconselhamento, com supervisão remota, desde que o “terrorismo islâmico” permaneça local e suas vítimas não sejam cidadãos americanos. No entanto, o medo de “terroristas caseiros” nos Estados Unidos é palpável, mesmo com a violência inspirada no Oriente Médio causando estragos na Europa, mas sem conseguir cruzar o Atlântico.

LEIA: Biden nomeia palestino-americano como diretor sênior de inteligência

À medida que a estrela do Oriente Médio se desvanece aos olhos dos americanos, outras partes do mundo ganham destaque no radar dos Estados Unidos. A Rússia e a Ásia, especialmente a China e a Península Coreana, tornaram-se uma dor de cabeça para as autoridades militares e políticas em Washington.

O problema com os novos “inimigos” da América, com exceção da Coreia do Norte, é que eles estão ameaçando seus interesses longe de seus próprios territórios, ecoando os conflitos dos EUA no exterior por mais de seis décadas. Além disso, suas armas combinam e até excedem as capacidades dos americanos.

O palco para as questões de Washington com a China é quase todo o mundo, até os próprios EUA, mas não o continente chinês. Semelhante é a situação com a Rússia, que, sob o governo do presidente Vladimir Putin, ganhou vantagem em suas relações com os EUA. Moscou ainda é acusada de interferir nas eleições presidenciais de 2016 e 2020 nos Estados Unidos.

O estilo, o tamanho e a complexidade dos conflitos dos Estados Unidos com a China e a Rússia fazem com que os autocratas do Oriente Médio pareçam amadores inexperientes, sem armas à sua disposição além de dinheiro e petróleo. Por si só, eles simplesmente não são suficientes.

A crença em Washington é que a Ásia é tanto o problema quanto a solução. É bom que as coisas se acalmem e se encaminhem para a convivência, mas é ruim se a hostilidade aumentar. Enquanto isso, o Oriente Médio tornou-se menos importante, menos perigoso e menos atraente para os americanos.

Isso não tem nada a ver com o presidente Biden ou qualquer outro membro da Casa Branca, por isso é um erro pensar que seu governo vai anular o legado diplomático deixado por seu antecessor. Além de questões globalizadas como comércio com a Europa e mudanças climáticas, não há diferença relevante entre Donald Trump e Biden em suas respectivas percepções da China, Coreia do Norte e Israel, exceto em termos de estilo e forma. Trump foi motivado por seu ego inflado e tornou tudo pessoal; Biden está mais calmo, mais sóbrio e mais inclinado a operar dentro da máquina institucional tradicional.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe no Al-Quds Al-Arabi, em 25 de janeiro de 2021.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments