Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sauditas atrasam divulgação de número de desempregados novamente, levantando dúvidas sobre promessa à juventude

Jovens sauditas reunidos no Riyadh Season Boulevard, na capital saudita, em 31 de janeiro de 2020. [Fayez Nureldine/AFP via Getty Images]
Jovens sauditas reunidos no Riyadh Season Boulevard, na capital saudita, em 31 de janeiro de 2020. [Fayez Nureldine/AFP via Getty Images]

A Arábia Saudita atrasou a publicação de dados altamente confidenciais sobre o desemprego pela quarta vez, levantando dúvidas sobre o plano de modernização do príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman, que prometeu criar mais empregos para milhões de jovens desempregados.

O relatório do mercado de trabalho do Reino para o terceiro trimestre de 2020 deveria ser publicado no final de dezembro, mas foi reprogramado várias vezes antes que as autoridades simplesmente removessem a data de lançamento do site da Autoridade de Estatísticas da Saudita. Diz-se que a autoridade precisa de mais tempo “devido à importância do período-alvo”.

O atraso foi necessário para garantir que os dados coletados de 33.000 famílias durante um período de restrições à pandemia atendam aos padrões da autoridade, explicou. “A pandemia teve um impacto na economia que afetou o mercado de trabalho saudita em termos de estabilidade, perda de empregos e disponibilidade de empregos. A revisão dos dados e sua validade foram estendidas para fazer uma análise aprofundada.”

Isso levantou questões sobre a direção que o príncipe herdeiro está tomando no reino. Criar empregos suficientes para a população jovem é um dos maiores desafios que Bin Salman enfrenta ao tentar diversificar a economia do maior exportador de petróleo do mundo. Ele visa reduzir o desemprego entre os cidadãos para 7% até 2030.

LEIA: Arábia Saudita sofre quinto trimestre consecutivo de contração econômica

Como parte de seu plano para conseguir que os sauditas trabalhem, Riyadh introduziu uma série de medidas, incluindo restringir empregos apenas aos sauditas e aumentar os impostos sobre trabalhadores expatriados, o que forçou muitos milhares a deixarem o Reino. Essas políticas parecem ter tido pouco sucesso.

Na verdade, Bin Salman está muito longe de atingir a meta. O desemprego atingiu um recorde de 15,4% no segundo trimestre do ano passado, quando a pandemia e a queda dos preços do petróleo atingiram as empresas. Esse é um de vários indicadores-chave que mostram que as reformas econômicas sauditas, lançadas há mais de três anos, ainda estão tendo pouco sucesso na criação de empregos ou no desenvolvimento de indústrias não relacionadas ao petróleo.

Mais de 50% dos sauditas desempregados são graduados. Isso sugere que há uma grande demanda por empregos profissionais entre os jovens do país.

Um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) concluiu que a crise de desemprego na região do Oriente Médio e do Norte da África (MENA) tem o potencial de desencadear outra onda de instabilidade se não for tratada. Em oito países MENA, incluindo a Arábia Saudita, o desemprego juvenil é de mais de 30 por cento.

Categorias
Arábia SauditaNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments