Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os israelenses não precisam de vistos para a África do Sul, mas os palestinos precisam. Por que o critério duplo?

Manifestantes em Joanesburgo, África do Sul, pedem boicote a Israel. Em 31 de maio de 2019 [Serviço de Notícias Afro-Palestinas]
Manifestantes em Joanesburgo, África do Sul, pedem boicote a Israel. Em 31 de maio de 2019 [Serviço de Notícias Afro-Palestinas]

Quando aplaudi o primeiro-ministro paquistanês Imran Khan, por sua posição firme contra a “normalização” com Israel no início deste mês, um amigo fez uma pergunta interessante. É verdade, perguntou ele, que os israelenses não precisam de visto para viajar para a África do Sul?

Essa foi uma pergunta importante e oportuna, porque essa questão embaraçosa foi varrida para debaixo do tapete por muito tempo. A resposta é sim, é verdade; nenhum visto é necessário para os cidadãos israelenses entrarem na África do Sul.

Além do mais, enquanto os israelenses estão isentos dessa burocracia, os palestinos não estão. Independentemente de sua religião ou afiliação política, não apenas os palestinos são forçados contra sua vontade a suportar o apartheid israelense em guetos nos territórios ocupados, mas também enfrentam a humilhação de ter que cumprir os regulamentos de vistos baseados no apartheid impostos pelas autoridades de imigração sul-africanas .

Os detalhes fornecidos no site do Departamento de Relações Internacionais deixam claro os padrões duplos descaradamente hipócritas que são aplicados. Além de precisar solicitar vistos e da demora que o longo processo acarreta, os palestinos têm encargos extras colocados sobre eles que não se aplicam aos israelenses; eles também devem apresentar comprovante de seguro médico, comprovante de reserva de hotel e comprovante de possuir fundos suficientes para sua estada.

Há uma série de restrições aplicáveis ​​aos palestinos, mas não aos israelenses, mas somos levados a acreditar que a África do Sul se opõe à brutal ocupação militar da Palestina por Israel. Na verdade, ao aplicar tais medidas aos palestinos que desejam viajar para a África do Sul, o governo de Pretória permanece um participante ativo na ocupação ilegal, imoral e injusta de Israel.

LEIA: Como um evento sionista de ‘diplomacia espiritual’ tornou-se foco do covid-19 na África do Sul

Não pode haver nenhum “se” ou “mas” sobre uma aplicação tão desprezível e racista de regulamentos de vistos que favorecem Israel, mas são punitivos em relação à Palestina. Esta questão precisa ser corrigida sem demora, e deve ser explicado com urgência pelas autoridades de imigração por que são aplicados padrões duplos que prejudicam um povo já sujeito às mais severas ocupações.

Se a política está em vigor desde a era do apartheid, tivemos mais de 25 anos para fazer a mudança, então por que ainda não foi feita? E enquanto os oficiais investigam isso, eles também podem explicar por que a transportadora nacional de Israel, El Al, está autorizada a ter oficiais de segurança do Shin Bet armados – uma agência envolvida em crimes de guerra – a bordo de sua aeronave no Aeroporto Internacional OR Tambo de Joanesburgo, em violação direta de políticas de segurança em “pontos-chave” do país.

Mulheres israelenses tiram fotos do avião da El Al, antes do primeiro voo comercial de Israel para os Emirados Árabes Unidos no aeroporto Ben Gurion perto de Tel Aviv, em 31 de agosto de 2020 [Heidi Levine/ AFP via Getty Images]

Mulheres israelenses tiram fotos do avião da El Al, antes do primeiro voo comercial de Israel para os Emirados Árabes Unidos no aeroporto Ben Gurion perto de Tel Aviv, em 31 de agosto de 2020 [Heidi Levine/ AFP via Getty Images]

Esta questão polêmica foi exposta tanto pela Media Review Network quanto pela Carte Blanche na véspera da Copa do Mundo FIFA 2010, realizada na África do Sul. No entanto, nada parece ter sido feito a respeito.

O ativismo de solidariedade em apoio à luta pela liberdade da Palestina contra o colonialismo dos assentamentos permanecerá em uma situação difícil, a menos que medidas drásticas sejam tomadas para garantir que as políticas do governo sul-africano favoráveis ​​a Israel sejam dizimadas. A atual traição de regimes árabes despóticos sob o pretexto de “normalização” com o estado colonial é de se esperar precisamente porque são ditaduras tirânicas. A África do Sul não se encaixa nesse molde e, tendo sido libertada das garras do apartheid, seus valores constitucionais que sustentam os direitos humanos e a dignidade não podem ser comprometidos por continuar a ceder ao racismo israelense.

LEIA: Exército de Israel bombardeia sul e oeste de Gaza

Se o governo sul-africano está simplesmente fechando os olhos para a violação da segurança no principal aeroporto internacional do país e negando a entrada sem visto para palestinos, ou fingindo ignorar as transgressões,trata-se de uma situação intolerável. O governo liderado pelo ANC terá que fazer muito mais do que um “rebaixamento de status da embaixada” em Israel para demonstrar verdadeiro compromisso com a causa da justiça para a Palestina, que supostamente defende.

As atuais exigências de visto devem ser revertidas sem demora, suspendendo as exigências impostas aos palestinos e impondo-as aos israelenses. O estado colonial colonizador deve compreender que o mundo está ciente de sua natureza de apartheid e que sua ocupação brutal é inaceitável para o povo e o governo sul-africano. Nós nos livramos de um regime de apartheid; não podemos apoiar outro.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulArtigoIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments